Política

Gilmar segue Barroso e defende o ‘semi-presidencialismo’ para o Brasil

Pela proposta apresentada pelo presidente do TSE, o presidente da República indicaria o primeiro-ministro

O ministro Gilmar Mendes, do STF. Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, usou as redes sociais na noite desta segunda-feira 5 para elogiar a proposta de um ‘semi-presidencialismo’ apresentada mais cedo pelo presidente do TSE e colega de Mendes no STF, Luis Roberto Barroso.

“Cumprimento o presidente do TSE, Luis Roberto Barroso, pela importante defesa da proposta de semi-presidencialismo. Em conjunto com Michel Temer e o professor Manoel Gonçalves, desde 2017, cultivamos essa alternativa para a superação dos déficits de governabilidade do modelo atual”, escreveu Gilmar Mendes.

“As sucessivas crises do nosso sistema – com incansáveis invocações de impeachment – reclamam uma reforma que garanta a co-responsabilidade do Congresso Nacional nos deveres de Governo. Representatividade e governabilidade podem andar juntas”, completou.

No Simpósio Interdisciplinar sobre o Sistema Político Brasileiro, Barroso defendeu um Brasil ‘semi-presidencialista’ até 2026.

O ministro citou “uma experiência que tem dado certo na França e em Portugal” e detalhou algumas das características de sua proposta para esse sistema híbrido. O presidente continuaria a ser eleito pelo voto direto e teria “competências de Estado”.

Segundo Barroso, o presidente conduziria as relações internacionais, nomearia os emabaixadores, seria o comandante-em-chefe das Forças Armadas, indicaria os ministros de tribunais superiores e apontaria o primeiro-ministro.

“Porém, este primeiro-ministro depende de aprovação pelo Congresso Nacional. E será o primeiro-ministro quem desempenhará o papel de chefe de governo e conduzirá o varejo político da vida de um país”, explica o presidente do TSE.

O sistema ‘semi-presidencialista’ também preveria a possibilidade de o primeiro-ministro “perder a sustentação política”.

“E aí vêm as características do parlamentarismo que a gente está ‘importando’ para o modelo ‘semi-presidencialista’, que são esse ‘Executivo-dual’, de chefe de Estado e chefe do Executivo, e a possibilidade de destituição legítima, institucional e não traumática do primeiro-ministro por um simples voto de confiança do Parlamento se ele tiver perdido a sustentação política”.

Mesmo que o primeiro-ministro fosse destituído do cargo por decisão do Congresso, o presidente cumpriria o seu mandato, “já que não participa do varejo político e não está sujeito a essas turbulências políticas”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo