G-7 da CPI decide tirar Eduardo Braga do grupo e vira G-6

A decisão foi motivada pelo alinhamento maior de Eduardo Braga com o governo Bolsonaro observado pelo grupo nos últimos dias

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Política

O senador Eduardo Braga (MDB-AM) foi excluído do chamado G-7 da CPI da Covid, que reúne senadores de oposição e independentes. Nesta semana, a cúpula da comissão criou um novo grupo no WhatsApp, sem a presença do emedebista, e passou a operar como G-6, conforme o Estadão/Broadcast apurou.

O grupo majoritário da CPI viu um alinhamento maior de Eduardo Braga com o governo Bolsonaro nos últimos dias. O senador criticou as quebras de sigilo fiscal e bancário de empresas e autoridades do Amazonas e se ausentou de depoimentos desgastantes para o presidente, como a audiência com o deputado Luis Miranda (DEM-DF).

Além disso, uma disputa pelo governo do Amazonas acabou contaminando o clima entre Braga e o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM). Os dois são apontados como pré-candidatos a governador em 2022. Omar Aziz considera também a tentativa de concorrer novamente ao Senado – o mandato de Eduardo Braga na Casa só acaba em 2026.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem