Política

FSB: Lula lidera com 44% das intenções de voto e venceria todos no 2º turno

Pesquisa mostra o ex-presidente com vantagem de 12 pontos percentuais sobre Bolsonaro no primeiro turno

Foto: Nelson ALMEIDA/AFP
Foto: Nelson ALMEIDA/AFP
Apoie Siga-nos no

A nova rodada da pesquisa FSB, contratada pelo banco BTG Pactual, mostra Lula (PT) com 44% das intenções de voto, ante 32% de Jair Bolsonaro (PL). A diferença entre os dois pré-candidatos, que era de 14 pontos no último levantamento, oscilou negativamente na pesquisa desta segunda-feira 13. O recuo, no entanto, está dentro da margem de erro do levantamento.

Os dados que colocam Lula em vantagem no primeiro turno contra Bolsonaro também mostram estabilidade dos demais pré-candidatos. Ciro Gomes (PDT), por exemplo, manteve os mesmos 9% das intenções de voto. Simone Tebet (MDB), por sua vez, marcou 2%. André Janones (Avante) e Felipe D’avila (Novo) foram os dois outros a pontuarem, com 1% cada.

Espontânea

Na pesquisa espontânea, aquela em que não são apresentadas as opções de pré-candidaturas, Lula também tem vantagem. Ao todo, o petista marca 40% das intenções de voto, ante 29% de Bolsonaro. Neste caso, Ciro Gomes é novamente quem se sai melhor entre os demais nomes, mas tem apenas 3% das indicações de voto.

Segundo turno

Nas disputas de segundo turno monitoradas pela pesquisa FSB, Lula venceria qualquer um dos pré-candidatos em eventuais disputas. Bolsonaro, por sua vez, seria derrotado por Ciro Gomes e aparece em pé de igualdade com Simone Tebet.

No principal cenário pesquisado, quando se confrontam os nomes de Lula e Bolsonaro, o petista lidera por 54% a 36%. Em uma disputa de Lula contra Ciro, o ex-presidente marca 48%, já o pedetista teria 32%. Contra Tebet a vantagem de Lula cresce e ele venceria a disputa direta contra a senadora por 55% a 25%.

Bolsonaro foi ainda confrontado com as pré-candidaturas de Ciro Gomes e Simone Tebet. Contra o ex-ministro, o atual presidente seria derrotado por 48% a 38%. Já na disputa contra a senadora, os dois marcariam 40% das intenções de voto para cada.

Rejeição

A pesquisa ainda monitorou a rejeição de cada um dos pré-candidatos Nesse quesito, quem se sai pior é Bolsonaro, com 59% de indicações negativas por parte dos eleitores. Em seguida aparece Ciro Gomes com 48% de reprovação a sua pré-candidatura e Lula, com 44%.

Os demais pré-candidatos possuem índices bem menores, mas reúnem alto nível de desconhecimento por parte dos eleitores, bem acima dos 50%, o que justificaria um melhor desempenho nas indicações negativas. Veja os resultados:

Confira a íntegra da pesquisa:

pesquisa-btg-fsb-13jun2022

Getulio Xavier

Getulio Xavier
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.