Filhos de Bolsonaro reagem à prisão de Queiroz: “O jogo é bruto”

Flávio Bolsonaro diz que prisão de Queiroz é para atacar seu pai

Foto: AFP

Foto: AFP

Política

A prisão de Fabrício Queiroz, na manhã desta quinta-feira 18, provou reações dos filhos do presidente Jair Bolsonaro. O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) disse que a prisão do seu ex-assessor  foi mais uma peça movimentada no tabuleiro para atacar seu pai.


Queiroz é peça-chave na investigação sobre um suposto esquema de “rachadinha” no gabinete de Flávio quando ele era deputado estadual no Rio. A investigação começou após um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) ter identificado uma movimentação suspeita de 1,2 milhão de reais na conta de Queiroz entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017.

De acordo com o relatório, diversos saques e depósitos em dinheiro vivo foram feitos na conta de Queiroz em datas próximas do pagamento de servidores da Assembleia Legislativa do Rio. O ex-PM chegou a admitir que recolhia parte do salário de servidores do gabinete do então deputado estadual para contratar “assessores informais”.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) também comentou o caso. O parlamentar compartilhou uma lista de investigados da mesma operação e questionou o fato de apenas Queiroz ter sido preso.

Já o presidente Jair Bolsonaro ainda não se pronunciou. Nesta manhã, o presidente não parou para falar com apoiadores na frente do Palácio da Alvorada, como costuma fazer, e foi direto ao Palácio do Planalto. O ministro da Justiça, André Mendonça, foi chamado para um reunião com Bolsonaro após a prisão de Queiroz.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem