Política

Filas no INSS serão resolvidas até outubro, diz Augusto Heleno

Órgão esteve no centro das atenções por conta da extensa fila de beneficiários que não conseguem a liberação de seus direitos

Apoie Siga-nos no

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência, general Augusto Heleno, afirmou que as filas do INSS serão resolvidas até o mês de outubro deste ano.  Em entrevista à rádio CBN nesta quarta-feira 29, Heleno defendeu que a decisão de utilizar militares da reserva para diminuir a fila mostra a preocupação do governo com a situação da seguridade social.

“Há medidas burocráticas que podem ser facilmente aprendidas”, disse o ministro, que ponderou que chamar novos servidores públicos para atuar no INSS contraria a intenção do ministério da Economia de reduzir o número de concursados. Heleno disse também que “há possibilidade de antecipar a solução dos problemas se houver jato de impulsão na solução do problema”, segundo o ministro.

 

Nos últimos dias, o órgão esteve no centro das atenções por conta da extensa fila de beneficiários que não conseguem a liberação de seus direitos. Atualmente, a fila de espera é de 1,3 milhão de solicitações de benefício que ficaram sem análise, mesmo após o prazo legal de 45 dias ter sido ultrapassado.

Em 14 de janeiro, o governo anunciou um conjunto de medidas para diminuir a demanda, como a seleção de sete mil militares da reserva, a restrição de cessões de servidores a outros órgãos e a simplificação da burocracia.

A ideia de reforçar o atendimento com militares era liberar os servidores para se dedicarem à análise dos requerimentos. No entanto, em 23 de janeiro, o Tribunal de Contas da União (TCU) apontou inconstitucionalidade em restringir a possibilidade de contratação aos militares, pois, segundo o órgão, a medida criaria “reserva de mercado”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo