Filas no INSS serão resolvidas até outubro, diz Augusto Heleno

Órgão esteve no centro das atenções por conta da extensa fila de beneficiários que não conseguem a liberação de seus direitos

Filas no INSS serão resolvidas até outubro, diz Augusto Heleno

Política

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência, general Augusto Heleno, afirmou que as filas do INSS serão resolvidas até o mês de outubro deste ano.  Em entrevista à rádio CBN nesta quarta-feira 29, Heleno defendeu que a decisão de utilizar militares da reserva para diminuir a fila mostra a preocupação do governo com a situação da seguridade social.

“Há medidas burocráticas que podem ser facilmente aprendidas”, disse o ministro, que ponderou que chamar novos servidores públicos para atuar no INSS contraria a intenção do ministério da Economia de reduzir o número de concursados. Heleno disse também que “há possibilidade de antecipar a solução dos problemas se houver jato de impulsão na solução do problema”, segundo o ministro.

 

Nos últimos dias, o órgão esteve no centro das atenções por conta da extensa fila de beneficiários que não conseguem a liberação de seus direitos. Atualmente, a fila de espera é de 1,3 milhão de solicitações de benefício que ficaram sem análise, mesmo após o prazo legal de 45 dias ter sido ultrapassado.

Em 14 de janeiro, o governo anunciou um conjunto de medidas para diminuir a demanda, como a seleção de sete mil militares da reserva, a restrição de cessões de servidores a outros órgãos e a simplificação da burocracia.

A ideia de reforçar o atendimento com militares era liberar os servidores para se dedicarem à análise dos requerimentos. No entanto, em 23 de janeiro, o Tribunal de Contas da União (TCU) apontou inconstitucionalidade em restringir a possibilidade de contratação aos militares, pois, segundo o órgão, a medida criaria “reserva de mercado”.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem