Facebook libera acesso de Eduardo Bolsonaro após suspensão

De acordo com a empresa, o perfil do deputado havia sido suspenso por uma publicação 'removida indevidamente'

Deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Política

O Facebook restabeleceu na terça-feira 20 o acesso à conta do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) na rede social. De acordo com a empresa, o perfil foi suspenso por uma publicação “removida indevidamente”. O deputado não fazia postagens na rede social desde o dia 12 de julho.

De acordo com informações do blog de Ancelmo Góis, do jornal O Globo, a suspensão foi por uma postagem que usava frases de Adolf Hitler. No dia 10 de julho, Eduardo Bolsonaro fez uma postagem que usava duas imagens do ditador nazista. “Quanto maior for a mentira, mais pessoas acreditarão nela”, diz uma delas, extraída do site pensador.com.

 

 

“O post de Eduardo Bolsonaro foi removido indevidamente e já foi restaurado. A consequente restrição foi levantada do perfil do deputado”, diz a rede social em comunicado.

Há uma ação judicial aberta sobre o caso, acionada por Eduardo Bolsonaro. O Facebook não pode comentar as especificidades da ação. É possível apelar contra uma punição na rede social pela própria plataforma.

O deputado federal já havia processado o Facebook em 2019, exigindo indenização por dano moral. O caso foi julgado improcedente em março de 2020.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem