Política

Tarcísio anuncia ex-comandante da Rota para vice de Nunes em São Paulo; conheça Mello Araújo

O ex-presidente Jair Bolsonaro se mostrou irredutível na escolha do aliado, uma exigência para apoiar o prefeito

Tarcísio de Freitas, Jair Bolsonaro, Ricardo Nunes e Mello Araújo. Foto: Reprodução/CNN Brasil
Apoie Siga-nos no

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), anunciou nesta sexta-feira 21 que Ricardo Mello Araújo, ex-comandante da Rota – tropa de elite da Polícia Militar -, é o pré-candidato a vice na chapa do prefeito da capital, Ricardo Nunes (MDB).

“A gente convergiu com o nome do Mello Araújo. É um nome que agrega muita qualidade”, alegou Tarcísio, após um agenda na zona sul da cidade. “Agrega, soma, a gente está muito confortável com essa indicação.”

O coronel aposentado da Polícia Militar é uma indicação do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), que se mostrou irredutível na escolha, apesar da revolta de partidos que integram a base de Nunes.

A pré-candidatura de Pablo Marçal (PRTB) acelerou o processo de definição do vice de Nunes, uma vez que o coach flertou com Bolsonaro e dialoga com integrantes do PL. Nas últimas semanas, Tarcísio rompeu o silêncio e também passou a defender a escolha de Mello Araújo.

Em publicações nas redes sociais, o coronel já manifestou apoio ao impeachment de ministros do Supremo Tribunal Federal, questionou a segurança das urnas eletrônicas e se pronunciou contra a obrigatoriedade da vacina da Covid-19. A exemplo de Bolsonaro, criticou a política sanitária de isolamento social na pandemia. 

Mello Araújo já defendeu abordagens diferentes da Rota em bairros ricos e na periferia, além de se manifestar pela extinção da Ouvidoria, órgão responsável por receber e analisar as denúncias contra policiais por má conduta. 

É uma outra realidade. São pessoas diferentes que transitam por lá. A forma de ele abordar tem que ser diferente. Se ele [policial] for abordar uma pessoa [na periferia] da mesma forma que ele for abordar uma pessoa aqui nos Jardins [região nobre de São Paulo], ele vai ter dificuldade. Ele não vai ser respeitado”, disse Mello Araújo ao UOL em 2017.

Nunes e seu vice não têm uma ligação próxima. Um dos poucos encontros até aqui ocorreu durante um evento na Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo, a Ceagesp, à época presidida por Araújo, que nomeou 22 policiais militares para cargos comissionados.

Também foi na gestão dele que a companhia alugou uma sala em sua sede para a instalação de um clube de tiro. Araújo ainda entrou em conflito com o Sindicato dos Empregadores em Centrais de Abastecimento de Alimentos do Estado de São Paulo. Na ocasião, o presidente da Ceagesp chegou a ser chamado de “fascistinha” e “autoritário”. 

O ex-Rota também é lembrado por chamar veteranos da PM para uma manifestação do 7 de Setembro em 2021, a favor de Bolsonaro. “Não podemos permitir que o comunismo assuma nosso País”, disse, em agosto daquele ano, em um vídeo publicado nas redes sociais. 

Dias depois, Araújo chegou a responder a um inquérito na Corregedoria da PM, mas o procedimento foi arquivado sem resolução de mérito. A participação de policiais em manifestações partidárias é vetada por lei. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo