…

Ex-governador diz que Blairo Maggi, ministro de Temer, subornou ex-secretário

Política

Blairo Maggi (PP), ministro da Agricultura de Michel Temer, pagou 3 milhões de reais a Éder Moraes, ex-secretário da Fazenda de Mato Grosso, para que este mudasse seu depoimento à Justiça, segundo acusação do ex-governador do Mato Grosso Silval Barbosa (PMDB). Hoje delator em uma investigação do Ministério Público Federal (MPF), Barbosa diz ter pago outros 3 milhões de reais a Moraes, totalizando 6 milhões para que o secretário retirasse o que disse. 

A acusação de Silval Barbosa está na delação premiada do ex-governador, que foi homologada pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), em 9 de agosto. As informações são do Jornal Nacional.

Entre 2006 e 2010, Barbosa foi vice-governador do Mato Grosso enquanto o próprio Blairo Maggi era o governador. Quando este deixou o cargo para disputar o Senado, Barbosa assumiu. Eleito em 2010 e reeleito em 2014, deixou o governo em 2015, preso na Operação Sodoma da Polícia Federal, acusado de liderar um esquema de corrupção no estado. Barbosa confessou uma série de crimes e fez acordo de delação com o MPF.

Em um trecho do depoimento prestado aos procuradores, Barbosa afirma, segundo o JN, que “nessa conversa o declarante expôs a Blairo Maggi o pedido feito por Éder Moraes de 6 milhões de reais para se retratar, tendo Blairo Maggi concordado em efetuar o pagamento de 3 milhões de reais para que Éder se retratasse das declarações que implicavam o declarante e Blairo Maggi”.

Até a publicação desta nota, o ministro não se pronunciou.

Emanuel Pinheiro

Em vídeo, Emanuel Pinheiro (PMDB), prefeito de Cuiabá, guarda maços de dinheiro no paletó (Foto: Reprodução / TV Globo)

Além de denunciar Maggi, Barbosa acusou outros políticos de receberem propina. Vários deles foram, inclusive, filmados recebendo dinheiro. O Jornal Nacional revelou as imagens na noite de quinta-feira 24. É o caso de Emanuel Pinheiro (PMDB), prefeito de Cuiabá; Luciane Bezerra (PSB), prefeita de Juara; do deputado federal Ezequiel Fonseca (PP) e dos ex-deputados estaduais Hermínio Barreto (PR) e Alexandre César (PT). Todos aparecem em vídeos guardando maços de dinheiro na roupa ou em bolsas e caixas.

Leia também:
Blairo Maggi, constrangimento na COP 22

Pinheiro disse ao JN que não fez nada ilícito e que vai comprovar isso na Justiça. Bezerra disse, por meio do marido, o deputado estadual Oscar Bezerra (PSB), que recebeu o dinheiro para quitar dívidas de campanha eleitoral. O advogado de Sílvio César disse que não poderia comentar porque a delação premiada está sob sigilo. Os outros filmados não foram localizados pelo JN.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem