EUA pedem informações ao Brasil após chefe da Secom contrair coronavírus

Wajngarten acompanhou Bolsonaro na viagem aos EUA e publicou foto ao lado de Trump nas redes sociais

O chefe da Secom, Fabio Wajngarten, à direita do presidente dos EUA, Donald Trump, em encontro ocorrido na semana passada (Foto: Redes Sociais)

O chefe da Secom, Fabio Wajngarten, à direita do presidente dos EUA, Donald Trump, em encontro ocorrido na semana passada (Foto: Redes Sociais)

Política

O governo dos Estados Unidos pediu informações ao brasileiro após o chefe da Secretaria de Comunicação (Secom), Fábio Wajngarten, ter sido testado positivo para o Covid-19 nesta quinta-feira 12. A informação é do colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo.

Wajngarten, o presidente Jair Bolsonaro e outras pessoas da comitiva do governo do Brasil estavam nos EUA para encontros com Donald Trump e empresários norte-americanos. O encontro ocorreu no último fim de semana em Miami, Flórida.

Em uma foto, Wajngarten aparece ao lado de Donald Trump, que concedeu um jantar aos brasileiros no resort Mar-a-Lago, que é do presidente americano. Também está presente na foto o vice-presidente americano, Mike Pence.

Após a confirmação do caso de Wajngarten, o presidente Jair Bolsonaro também será testado para o vírus.

Nas redes sociais, Wajngarten reagiu às primeiras especulações da confirmação de sua doença e escreveu que a “banda podre da imprensa” estava especulando sobre sua saúde.

“Em que pese a banda podre da imprensa já ter falado absurdos sobre a minha religião, minha família e minha empresa, agora falam da minha saúde. Mas estou bem, não precisarei de abraços do Drauzio Varella.”, escreveu, fazendo referência ao caso do abraço do doutor em uma presa trans.

Na quarta-feira 11 à noite, Trump determinou o fechamento das fronteiras dos Estados Unidos à voos provenientes da Europa, medida que assustou os mercados no mundo inteiro e causou, no Brasil, um pico recorde do dólar a 5 reais e dois circuit breaks na mesma manhã.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem