Política

Ernesto Araújo diz que pandemia é usada para implementar o “comunavírus”

O ministro das Relações Exteriores criticou a atuação da OMS e voltou a criar teorias de conspiração comunista

Marcelo Camargo /Agência Brasil
Marcelo Camargo /Agência Brasil

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, publicou nesta quarta-feira 22 em seu Twitter um texto na qual ele diz que a pandemia do coronavírus, que já atingiu mais de 2,5 milhões de pessoas em todo o mundo, está sendo utilizada para a implementação de um plano comunista, o qual ele chama de “comunavírus”.

“Não bastasse o Coronavírus, precisamos enfrentar também o Comunavírus”, disse o chanceler que analisou partes de um livro do filosofo esloveno, Slavoj Zizek.

“Objetivo não é debelar a doença, e sim utilizá-la como escada para descer até o inferno, cujas portas pareciam bloqueadas desde o colapso da União Soviética, mas que finalmente se reabriu”, diz Araújo.

O ministro também criticou a atuação da Organização Mundial da Saúde. Para Araújo, essa e outras organizações são responsáveis por difundirem os ideias comunistas em forma de solidariedade.

“Transferir poderes nacionais à OMS, sob o pretexto (jamais comprovado!) de que um organismo internacional centralizado é mais eficiente para lidar com os problemas do que os países agindo individualmente, é apenas o primeiro passo na construção da solidariedade comunista planetária”, disse.

“Tudo em nome da “solidariedade”, claro, do mesmo modo que no universo de 1984 de Orwell a opressão sistemática fica a cargo do ‘Ministério do Amor'”.

“Diante disso precisamos lutar pela saúde do corpo e pela saúde do espírito humano, contra o Coronavírus mas também contra o Comunavírus, que tenta aproveitar a oportunidade destrutiva aberta pelo primeiro, um parasita do parasita”, concluiu.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!