Política

Ernesto Araújo diz que pandemia é usada para implementar o “comunavírus”

O ministro das Relações Exteriores criticou a atuação da OMS e voltou a criar teorias de conspiração comunista

Marcelo Camargo /Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, publicou nesta quarta-feira 22 em seu Twitter um texto na qual ele diz que a pandemia do coronavírus, que já atingiu mais de 2,5 milhões de pessoas em todo o mundo, está sendo utilizada para a implementação de um plano comunista, o qual ele chama de “comunavírus”.

“Não bastasse o Coronavírus, precisamos enfrentar também o Comunavírus”, disse o chanceler que analisou partes de um livro do filosofo esloveno, Slavoj Zizek.

“Objetivo não é debelar a doença, e sim utilizá-la como escada para descer até o inferno, cujas portas pareciam bloqueadas desde o colapso da União Soviética, mas que finalmente se reabriu”, diz Araújo.

O ministro também criticou a atuação da Organização Mundial da Saúde. Para Araújo, essa e outras organizações são responsáveis por difundirem os ideias comunistas em forma de solidariedade.

“Transferir poderes nacionais à OMS, sob o pretexto (jamais comprovado!) de que um organismo internacional centralizado é mais eficiente para lidar com os problemas do que os países agindo individualmente, é apenas o primeiro passo na construção da solidariedade comunista planetária”, disse.

“Tudo em nome da “solidariedade”, claro, do mesmo modo que no universo de 1984 de Orwell a opressão sistemática fica a cargo do ‘Ministério do Amor'”.

“Diante disso precisamos lutar pela saúde do corpo e pela saúde do espírito humano, contra o Coronavírus mas também contra o Comunavírus, que tenta aproveitar a oportunidade destrutiva aberta pelo primeiro, um parasita do parasita”, concluiu.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.