Empresários não estão preparados para cumprir lei anticorrupção

Política

Quase metade das empresas brasileiras, 46,9%, assume não ter preparo para cumprir a Lei Anticorrupção, que entrou em vigor nesta quarta-feira 29. Segundo pesquisa da ICTS Consultoria, apenas 51,7% admitiu ter estruturas organizacionais para prevenir-se de envolvimento com práticas corruptas. Ainda assim, 76,9% das empresas estudadas confiam que a lei será cumprida. A lei aumenta as punições para empresas que sejam culpadas por práticas ilícitas como suborno. As empresas que tiveram mecanismos internos de multas podem ter as multas reduzidas.

A pesquisa destacou a exposição com fornecedores mal avaliados como um dos principais riscos às empresas, para evitar que sejam enquadradas como corruptoras. Neste caso, a avaliação adequada dos serviços contratados evitará atribuição de responsabilidade ao contratante. As organizações reconhecem os riscos que envolvem os contratos com terceiros, mas, segundo a ICTS, apenas 75% tem processos de avaliação de riscos com fornecedores. Para se precaverem, as empresas pretendem assumir compromissos como códigos de ética e canais de denúncia.

O trabalho do ICTS considerou 66 empresas, a maioria com faturamento acima de 1 bilhão de reais. Os números foram lançados no primeiro relatório sobre Compliance Anticorrupção produzido pela ICTS. A empresa disponibilizou, a partir de hoje, o relatório com a interpretação dos dados em seu site.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem