Embaixada russa publica foto sobre Brics com Temer como presidente

A foto desatualizada, de um encontro em 2016, viralizou nas redes sociais. O atual presidente da África do Sul também não está na imagem

Embaixada russa publica foto sobre Brics com Michel Temer como presidente do Brasil. Créditos: divulgação/redes sociais

Embaixada russa publica foto sobre Brics com Michel Temer como presidente do Brasil. Créditos: divulgação/redes sociais

Política

Para celebrar a a reunião do Brics desta semana em Brasília, a Embaixada da Rússia no Reino Unido publicou no Twitter nesta sexta-feira 15 uma foto desatualizada dos presidentes dos países: Temer aparece na imagem, no lugar de Bolsonaro. A imagefoi foi publicada com uma legenda que fala sobre as tecnologias de energia nuclear da Rússia e o interesse do país em expandi-las. “Estamos prontos para expandir a cooperação com os países #BRICS em projetos nucleares mutuamente benéficos”, diz trecho da legenda.

A imagem, que viralizou nas redes sociais, se refere a um encontro informal em setembro de 2016 dos presidentes de Brasil, Rússia, China, Índia e África do Sul na cidade chinesa de Hangzhou, antes do encontro do G20 daquele ano.

Além de Michel Temer, a foto publicada está desatualizada quanto ao presidente da África do Sul: ela mostra o ex-presidente Jacob Zuma, e não o atual, Cyril Ramaphosa. Os demais líderes – Vladimir Putin, Xi Jinping e Narendra Modi – continuam no poder. Veja a foto atual do encontro:

Os presidentes dos cinco países que compõem o Brics. (Foto: Alan Santos/PR)

 

Na quinta-feira 14, os cinco países membros do Brics – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul uma declaração com 73 tópicos sobre o futuro do grupo econômico e da política internacional, marcando o encerramento da 11ª Cúpula do grupo, em Brasília.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem