Em meio à pandemia, governo Bolsonaro estoca quase 6 milhões de testes para Covid

Os dados foram obtidos via Lei de Acesso à Informação

Em meio à pandemia, governo Bolsonaro estoca quase 6 milhões de testes para Covid

Política

Em meio à pandemia do novo coronavírus, que já matou mais de 53 mil pessoas no Brasil, o governo de Jair Bolsonaro mantém estocado cerca de 5,6 milhões de testes da doença. Os dados foram obtidos pela agência Fiquem Sabendo via Lei de Acesso à Informação e divulgado pelo Yahoo.

Os testes moleculares para Covid-19 foram obtidos pelo Ministério da Saúde desde março, quando a pandemia começou no Brasil. Do total, apenas 36% – cerca de 3,2 milhões – chegaram aos laboratórios de Estados e municípios.

 

Os dados obtidos pela agência divergem dos divulgados pelo Ministério. Em maio, o governo anunciou a compra de 46 milhões de testes para Covid-19, sendo 24,3 milhões de testes moleculares  e 22 milhões de testes rápidos. No painel de distribuição de insumos, a pasta comunica apenas os dados referentes aos testes moleculares.

Dois requerimentos de acesso à informação distintos, protocolados pela Fiquem Sabendo em abril e maio, solicitando números de ambas as modalidade de testagem, foram respondidos com informações apenas referentes aos testes moleculares.

Testar a população é uma das medidas aprestadas pela Organização Mundial da Saúde como forma de combater a pandemia. Países como Coreia do Sul e Nova Zelândia tiveram sucesso no combate ao coronavírus fazendo testagem em massa na população.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem