Em meio à crise do coronavírus, Planalto lança campanha “O Brasil não pode parar”

Sem citar dados do coronavírus e da Organização Mundial da Saúde, o vídeo mostra foto de trabalhadores que poderão ficar sem emprego

Foto: Isac Nóbrega/PR

Foto: Isac Nóbrega/PR

Política

Um vídeo com assinatura do governo federal deu início a uma campanha institucional para defender a flexibilização do isolamento social por conta da crise do coronavírus. Chamada “O Brasil não pode parar”, a iniciativa do Planalto é incentivar que as pessoas voltem ao trabalho para retomar a atividade econômica do País.

Sem citar dados do coronavírus e da Organização Mundial da Saúde (OMS), o governo lançou um vídeo que cita trabalhadores informais e assalariados como justificativa para que a quarentena decretada em alguns estados seja revogada. O vídeo não foi compartilhado nos canais oficias do governo, mas o filho do presidente, o senador Flávio Bolsonaro, postou em suas redes sociais com o pedido para que os seguidores compartilhassem o material.

O BRASIL NÃO PODE PARAR!#COMPARTILHE

Posted by Flavio Bolsonaro on Thursday, March 26, 2020

No Instagram, uma publicação feita no perfil do governo federal diz que “no mundo todo, são raros os casos de vítimas fatais do coronavírus entre jovens e adultos”.

“A quase totalidade dos óbitos se deu com idosos. Portanto, é preciso proteger estas pessoas e todos os integrantes dos grupos de risco, com todo cuidado, carinho e respeito. Para estes, o isolamento. Para todos os demais, distanciamento, atenção redobrada e muita responsabilidade. Vamos, com cuidado e consciência, voltar à normalidade”, diz o texto.

O presidente Jair Bolsonaro também usou suas redes sociais para defender a ideia. O capitão compartilhou vídeo de uma carreata em Santa Catarina que pedia o fim da quarentena. As pessoas, que estavam isoladas dentro de seus carros, buzinavam em protesto para que os trabalhadores retomassem suas rotinas. O vídeo, no entanto, foi apagado do perfil do presidente.

Nesta quinta-feira, 26, Bolsonaro disse que a reação negativa na internet envolveu cerca de 70% dos comentários. O presidente afirmou, no entanto, que vai reverter essa imagem, mostrando que o povo foi “enganado” sobre a propagação do coronavírus.

De acordo com a atualização diária do Ministério da Saúde sobre os casos de coronavírus, o Brasil tem 2.915 infecções confirmadas da covid-19 e 77 óbitos até o momento, segundo anunciado pela equipe de saúde nesta quinta-feira 26.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem