Em entrevista, Russomanno minimiza ditadura

'Lembrem-se que, na década de 1960, as donas de casa saíram às ruas batendo panelas pedindo para que os militares assumissem o poder', disse

Foto: Olga Vlahou

Foto: Olga Vlahou

Política

Em entrevista dada ao SBT, o candidato do Republicanos à Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno, minimizou a ditadura que vigorou no Brasil entre 1964 e 1985.

 

 

“Ditadura, eu acredito, é o que a gente vive nos países em que a gente não pode entrar ou sair do país, que o seu passaporte é cassado. Isso é uma ditadura. Nós vivemos aqui um governo militar sem dúvida nenhuma”, afirmou o deputado.

A afirmação está alinhada com falas de Jair Bolsonaro que enaltecem o período. O candidato também disse que as Forças Armadas cuidam dos Três Poderes do regime democrático.

“Lembrem-se que, na década de 1960, as donas de casa saíram às ruas batendo panelas pedindo para que os militares assumissem o poder. Isso não faz parte da minha vida porque eu era garotinho naquela época, mas eu tenho certeza que a democracia se constrói com a liberdade que nós temos hoje. E é isso que nós temos que preservar, e vamos preservar, a manutenção das três forças: Executivo, Legislativo e Judiciário, cuidados pela Marinha, Exército e Aeronáutica”, afirmou.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem