Em dia de recorde de mortes, Bolsonaro reclama do ‘clima de pavor’ e insiste em remédios ineficazes

O presidente usou mais uma transmissão nas redes sociais para pregar métodos de combate à Covid-19 sem comprovação científica

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Política

No dia em que o Brasil bateu um novo recorde de mortes por Covid-19 em 24 horas, o presidente Jair Bolsonaro tornou a reclamar do “clima de pavor” em torno da doença e a defender medicamentos ineficazes.

Entre a quarta-feira 7 e esta quinta-feira 8, o País contabilizou 4.249 óbitos provocados pelo novo coronavírus, segundo o Conselho Nacional de Secretários de Saúde.

 

 

Em transmissão ao vivo nas redes sociais ao lado do secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Hélio Angotti Neto, o presidente insinuou que o comportamento das pessoas infectadas pelo vírus influencia no tratamento.

“Você tem dois gêmeos que adquirem o vírus no mesmo dia. Um está apavorado, o outro calmo, sabendo que tem de enfrentar o problema. Esse comportamento reflete na cura?”, questionou, dirigindo-se a Angotti, que respondeu: “Reflete, esse tipo de comportamento pode, sim, abalar o sistema imunológico. É como se tivesse menos recursos para enfrentar a doença com um quadro de tristeza, depressão, estresse”.

Ainda na live, Bolsonaro mostrou expectativa com uma nova medicação, a proxalutamida, dando a entender que se trata de mais uma aposta. “A vacina é para prevenir, mas uma vez com a Covid-19 as pessoas têm que procurar tratamento”, disse.

Hélio Angotti Neto afirmou que a medicação teria sido testada por pesquisadores de Manaus e se mostrado promissora.

No entanto, o secretário ressaltou que ainda não são conhecidos os resultados de outros testes científicos, conduzidos pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa.

O que se sabe até o momento é que a proxalutamida é um fármaco produzido para tratar cânceres de próstata e de mama. O medicamento é um bloqueador de hormônios masculinos (antiandrógeno) ainda em desenvolvimento.

 

 

 

Na transmissão, Bolsonaro ainda disse que o tratamento precoce teria influenciado a queda no registro de óbitos e na recuperação de pacientes em Chapecó (SC), onde esteve na quarta-feira 7.

A cidade elogiada pelo presidente, no entanto, apresenta taxa de mortalidade por Covid-19 superior à média nacional, segundo dados do município e do Ministério da Saúde. O município somou 541 óbitos pela doença desde o início da pandemia até a última terça-feira 6. A cidade do oeste catarinense tem 224.013 habitantes, de acordo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site CartaEducação

Compartilhar postagem