PT vai dizer que é vítima de sistema eleitoral, afirma jornal

Política

Depois das prisões dos petistas condenados no “mensalão”, o PT pretende expor a tese de que o partido atualmente é “prisioneiro de um sistema eleitoral que favorece a corrupção”, em seu 5º Congresso Nacional, que será aberto em dezembro. O documento foi redigido por Marco Aurélio Garcia, assessor especial da Presidência da República, e já foi apresentado ao Diretório Nacional do partido na última segunda-feira 18, segundo o jornal Folha de S. Paulo.

O texto, que ainda poderá ser modificado por emendas, não cita o “mensalão”, mas levanta a bandeira da ética como forma de fazer um contraponto ao escândalo que atingiu o partido. E volta a defender uma ampla reforma política. Em junho, após a série de protestos que aconteceram no País, a presidenta Dilma Rousseff sugeriu ao Congresso a realização de um plebiscito que propunha uma reforma política, mas a ideia não avançou.

Ainda de acordo com a Folha de S. Paulo, a principal defesa do PT diz respeito ao financiamento público exclusivo de campanha, segundo o partido, o principal passo a ser dado no rumo de uma reforma política. As críticas do PT também atingem o Judiciário, ao afirmar que o “sistema judicial é lento, elitista e pouco transparente” e que ele tem sido “permeado por interesses privados”. Há críticas também à “burocratização” do partido durante os 11 anos de governo. Segundo o documento, o PT não avançou na hora de empregar um novo ritmo à sua política.

No fim do documento, o partido compara o atual momento político com o fim da ditadura: “Quando saímos da noite da ditadura, soubemos dizer ‘Nunca Mais!’. Agora, depois de uma década de grandes transformações, afirmamos ‘Nunca menos!'”.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem