Em Brasília, Onyx Lorenzoni diz que não deseja deixar o governo

Após ter ministério desidratado por Bolsonaro em seu período de férias, ministro da Casa Civil deve se reunir com Bolsonaro nesta sexta

Bolsonaro empossa o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, durante cerimônia de nomeação dos ministros (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

Bolsonaro empossa o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, durante cerimônia de nomeação dos ministros (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

Política

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, declarou nesta sexta-feira 31 que não deseja deixar o governo Bolsonaro – mas que acataria a “toda e qualquer decisão dentro do governo”. A declaração vem depois da instabilidade gerada em sua pasta pela demissão, por duas vezes, de um de seus secretários-executivos após uso de um avião da FAB para viajar à Índia.

“Claro que não”, respondeu Lorenzoni ao ser questionado sobre um possível desejo de sair. “Aconteceram algumas coisas. Preciso compreender, conversar com o presidente, e ele também vai ouvir uma série de questões que vou esclarecer”, disse o ministro. “Tenho certeza que o entendimento vai prevalecer”, concluiu.

Além da demissão de Vicente Santini – que havia sido recontratado no dia seguinte para o mesmo ministério a pedido dos filhos do presidente, mas acabou tendo readmissão negada por Bolsonaro -, a pasta de Lorenzoni também foi desidratada do Programa de Parceria de Investimentos (PPI), que foi da Casa Civil para o Ministério da Economia.

Durante toda a crise, Onyx Lorenzoni estava de férias nos Estados Unidos. Ele irá se reunir com o presidente na tarde desta sexta-feira.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem