Em áudio, Jefferson ameaça Moraes: ‘A vida vai nos colocar frente a frente, se Deus quiser’

Em discurso a integrantes do PTB, o bolsonarista acusa o Supremo Tribunal Federal de ser um 'partido político comunista'

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Política

Pouco antes de ser preso preventivamente por decreto do ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes, o ex-deputado federal e atual presidente do PTB, Roberto Jefferson, criticou e fez ameaças ao ministro.

 

 

Em áudio que circula por grupos bolsonaristas e obtido pelo Poder360, Jefferson ameaça Moraes e diz que “daqui pra frente (a nossa conta) é pessoal, não tem saída”. Em xingamentos, o ex-deputado diz que Moraes, a quem se refere como “Xandão”, é “cachorro do Supremo” e representa o “pior caráter” da Corte.

‘Mensalão chinês’

Falando aos integrantes de seu partido, “nossos leões e leoas conservadores”, Jefferson acusa o Supremo de ser um “partido político comunista que tem condições de pedir mandados de prisão em inquéritos que não tem o Ministério Público”. Com a decisão de sua prisão, segundo ele, a Corte tinha chegado ao limite da “inconstitucionalidade, da agressão à ordem jurídica nacional”. No áudio, diz que a vontade do ministro é que impere a vontade da China. “É o mensalão chinês”, classifica.

“Os conservadores (estão) sendo presos por um tribunal corrupto, que é o Supremo, uma Orcrim, uma organização criminosa para servir aos interesses dos comunistas e para praticar abuso de autoridade e constrangimento ilegal”, disse Jefferson. O ex-deputado acusa Moraes de perseguição pessoal e ao PTB. Entre as ameaças, Jefferson pontua que “o que é pessoal, pessoalmente se resolve e a vida vai nos colocar frente a frente para que pessoalmente nós possamos resolver esse problema, se Deus quiser”.

O presidente da sigla alega que os ministros do STF representam “cerceamento das liberdades democráticas da lei, da ordem, da família, de Deus, da liberdade da vida”. “Vocês representam o outro lado, a ditadura marxista, cumplicidade com a oligarquia mundial que é a Nova Ordem”. Na sequência, Jefferson faz comentários homofóbicos e de intolerância religiosa.

Jefferson conclui o áudio afirmando que a Corte Suprema está “derrubando os alicerces da pátria, da nação”. “Vamos resistir a você, Xandão, e aos que te sucederem. Não vamos permitir que vocês governem o Brasil por despacho”, disse.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem