Política

Memória

Em 1987, Doria propôs fazer da seca no Nordeste uma atração turística

por José Antonio Lima, com Miguel Martins e Tory Oliveira — publicado 28/06/2017 17h27, última modificação 29/06/2017 11h48
Então presidente da Embratur, o tucano provocou indignação ao propor também a redução de verbas para obras de irrigação, mas disse não querer "explorar a miséria"
Rovena Rosa / Agência Brasil
Joao Doria

Doria, prefeito de São Paulo, é cotado para a Presidência da República

Em 1987, enquanto era presidente do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), o hoje prefeito de São Paulo, João Doria Jr. (PSDB), propôs reduzir a verba para obras de irrigação no Nordeste e transformar a seca na Caatinga em ponto turístico. Naquele ano, o Nordeste enfrentava uma dura estiagem que motivou até mesmo uma CPI no Congresso sobre o tema.

A proposta de Doria foi feita em 30 de junho de 1987, durante visita a Fortaleza, onde se encontrou com o então governador do Ceará, Tasso Jereissati, hoje seu colega de partido, e dezenas de empresários locais.

“A Caatinga nordestina poderia ser um ponto de visitação turística e gerar uma fonte de renda para a população sofrida da área, respeitando as características culturais e humanas da população, sem exploração da miséria”, disse Doria segundo a reportagem “Doria Jr. propõe que a seca vire atração turística”, publicada pelo jornal O Globo de 1º de julho de 1987.

De acordo com a publicação, Doria deu duas justificativas para a proposta. A primeira era que os brasileiros tinham o direito de conhecer “a riqueza e a pobreza do Brasil”. A segunda era a suposta maior eficiência da indústria do turismo em comparação com as obras de irrigação no Nordeste.

Em defesa de sua proposta, disse Doria segundo O Globo, o governo deveria “aumentar os investimentos no turismo e diminuir a verba para a irrigação”. Numa comparação, o então presidente da Embratur “citou que de cada 100 projetos turísticos na região, apenas quatro deixam de garantir retorno, enquanto de 100 projetos de irrigação, 75 dão resultados negativos e somente 25 asseguram rentabilidade”.

JB_doria_seca.jpg
Trecho do 'Jornal do Brasil' de 2 de julho de 1987
A proposta de Doria provocou indignação nos nordestinos. O Jornal do Brasil de 2 de julho de 1987 registra que a radialista Adisia Sá, então responsável pelo programa "Debate do Povo", de grande audiência no Ceará, prometeu “receber a primeira agência de viagens que chegar com excursão para visitar a seca liderando uma multidão para vaiar e fazê-la voltar”. No fim do programa, Sá chamou Doria de “dândi do society transplantado para a vida pública”. Comumente usado na década de 1980, o termo dândi designava pessoas da elite que não tinham noção do mundo real.

 

Hoje com 87 anos, Adisia Sá integra o Conselho Superior da Associação Cearense de Imprensa. Em conversa com a reportagem de CartaCapital, a jornalista diz não se lembrar da polêmica gerada pela sugestão de Doria. “A seca produzia morte, famílias desgarradas, casais separados, pais e filhos separados, é uma coisa que não faço questão de lembrar”, disse.

Ao ser lembrada das palavras proferidas há 20 anos e da proposta da Embratur, Adisia Sá afirmou que recebe a notícia “com a mesma indignação”. “Acho que isso [a proposta] não se repetiria hoje, mas se se repetisse eu teria a mesma opinião. O que eu disse dentro daquele contexto, não retiro”, afirmou.

estadao_doria_seca.jpg
O 'Estadão' de 1º de julho registrou a proposta de Doria
No mesmo 1º de julho de 1987, o jornal O Estado de S.Paulo registrou as declarações de Doria na reportagem “Embratur quer fazer a seca virar turismo”. O jornal publica a mesma frase de Doria divulgado pelo Globo e acrescenta que a proposta deixou os jornalistas que acompanhavam o evento em Fortaleza “surpresos”.

Assim, eles pediram para Doria escrever o que estava dizendo. Ele aceitou e, depois, argumentou, segundo o Estadão, que “Em Serra Pelada, onde milhares de garimpeiros vivem em condições subumanas, essa garimpagem já se transformou em um ponto de visitação turística”. E completou. “Lá existem até especialistas em fotografia daqueles homens, transportando sacos de areia nas costas, em busca de ouro”.

Doria afirmou, ainda segundo o Estadão, que não estava propondo que a seca “na sua inclemência, na miséria de sua gente”, se transforme num ponto de atração turística. “Pelo contrário, o que vislumbro é o fato de podermos transformar a seca num ponto positivo, onde os trabalhadores prejudicados por ela pudessem desenvolver outras atividades, como artesanato e trabalhos diferentes daqueles do campo”.

As justificativas de Doria para a proposta não serviram para aplacar a indignação com a ideia. “Prefiro imaginar que essas declarações não existiram”, disse o então ministro do Interior, Joaquim Francisco Cavalcante, ele próprio nordestino, segundo o jornal O Globo de 2 de julho.

Ouvido pelo mesmo jornal, o ex-governador de Pernambuco Roberto Magalhães disse que a proposta foi feita “com o melhor das intenções”, mas lembrou que turismo e seca são incompatíveis. “Turismo não se faz com o sofrimento, porque a seca é, na realidade, um drama causado pela conjunção da pobreza da natureza com a do homem sertanejo. Ela é uma vergonha nacional porque jamais se fez dela uma prioridade”, afirmou.

Ainda segundo O Globo, Tasso Jereissati, por sua vez, disse que as palavras de Doria foram deturpadas, mas reconheceu que o então presidente da Embratur “não foi muito feliz” ao fazer a proposta. O então secretário de Turismo do Ceará, Barros Pinho, “foi a única autoridade cearense a concordar com a ideia”, de acordo com o jornal. Para Pinho, a seca precisava ser resolvida com criatividade e transformar as zonas atingidas em “polos artesanais” era uma boa ideia.

Ao lado desta reportagem do dia 2 de julho de 1987, O Globo trazia um texto não assinado, indicando ser a opinião do jornal, com duras críticas à proposta de Doria, em especial à ideia de cortar a verba para a irrigação. “Do ponto de vista de quem só pensa em sua área de especialização, a ideia tem lógica exemplar: se continuarem essa insensata irrigação, um dia acabam com a seca – e onde é que os turistas vão gastar os dólares?”, questionava o jornal. No mesmo dia 2 de julho, a Folha de S.Paulo registrou em uma nota que Doria tinha proposta criar "albergues turísticos" na caatinga nordestina.

OGlobo_doria_seca.jpg
Reportagem do 'Globo' de 2 de julho de 1987 trazia duras críticas a Doria

A mesma indignação marcou texto publicado na edição de setembro/outubro da revista Agropecuária Tropical, publicada pela Associação Norte-Riograndense de Criadores. Encontrado em pesquisa de sociologia rural e enviado a CartaCapital pelo doutorando da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) Valdênio Meneses, o texto afirmava que “a morte pela subnutrição, pela fome e sede dos nordestinos pode ser mais uma opção para os turistas da região centro-sul do país”, graças à ideias de Doria.

A revista dos produtores de gado do RN se indignou com a propostaEm seu discurso, diz a revista, Doria “afirma que as verbas da irrigação deveriam ser reduzidas para aumentar as de turismo para exibir os flagelados da seca porque os habitantes do eixo Rio-São Paulo só conhecem a seca através da imprensa”.

A revista, então, conclui que “em vez de empregar o dinheiro do governo para financiar a produção, empregaria tal verba para que os turistas, em ônibus refrigerado e regado a whisky, possam se distrair vendo as crianças esqueléticas tomando lama em lugar de água".

A divulgação deste trecho de Agropecuária Tropical no Twitter provocou alvoroço nas redes sociais na manhã desta quarta-feira 28 e uma busca de diversos usuários (como o jornalista Ivan Mizanzuk - @mizanzuk, o advogado Olímpio Rocha, - @olimpiomr, o doutorando Valdênio Meneses -valdeniofm, e os anônimos @bmandrake e @RLivre) por mais informações sobre a proposta de Doria, algumas das quais foram usadas nesta reportagem de CartaCapital.

A seca, flagelo do Nordeste e do Brasil

A proposta de Doria se deu em um momento da história do Brasil que políticos e sociedade se mobilizavam para tratar do problema. Em 1987, o Congresso criou uma Comissão Parlamentar de Inquérito Mista (CPMI) para avaliar os prejuízos da seca no Nordeste naquele ano, tendo como um de seus signatários o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

O relatório final indica que entre 1974 e 1987, a região sofreu com um período de seca total, entre 1979 e 1983, e dois de seca parcial, um em 1976 e outro justamente no ano da criação da CPMI. No período, os prejuízos causados pela estiagem foram de 20,9 bilhões de dólares.

Os impactos negativos da seca sobre a economia local só não foram maiores por causa dos aumentos dos investimentos em irrigação. Segundo os parlamentares, o crescimento de áreas irrigadas observado de 1985 em diante foi "o mais expressivo" verificado até então. "Até 1985, o Nordeste contava com 335,8 mil hectares irrigados. Mas em 1988, essa área elevou-se para 619,7 mil hectares, o que representa um crescimento de 54,2% em três anos”, dizia o relatório da comissão.

Um mês antes da proposta de Doria, em 3 de junho de 1987, uma nota do jornal Estadão descrevia a situação dramática provocada pela seca: "É grande a situação provocada pela seca na região Nordeste do País. Alguns governadores estão criando planos de emergência para socorrer os flagelados, que, desesperados, saqueiam estabelecimentos comerciais e municipais, na tentativa de matar a fome e alimentar suas famílias"

Outra reportagem do mesmo jornal, publicada em 7 de junho, afirmava que a seca provocou perda total nas lavouras em diversos estados. "Os açudes estão secando e os moradores de muitas comunidades precisam caminhar vários quilômetros para conseguir água em algum poço de líquido amarelado. Em Catingueira, povoado a 350 quilômetros de Natal, os habitantes andam 20 quilômetros para obter água potável, revivendo as antigas imagens do Nordeste seco, de gente com potes na cabeça caminhando ao lado de burrinhos que carregam barris", diz a reportagem.

Em outro trecho, noticia-se que, na Bahia, lavouras que cultivavam feijão perderam 98% da colheita. "Não tem feijão para comer e nem sementes para o próximo plantio", lamentou o gerente da cooperativa, Evódio Carvalho Machado.

Outro lado

Em nota, a Secretaria de Comunicação da Prefeitura de São Paulo afirma que "as publicações de 1987 foram desvirtuadas". "João Doria, então presidente da Embratur, defendeu que o Ceará não explorasse apenas o litoral em termos turísticos, mas valorizasse o interior, como a região da Caatinga, para promover a geração de renda. Trinta anos depois, estas regiões, e não apenas no Ceará, têm vários atrativos turísticos - caso de Quixadá, apenas para ficar num exemplo."

Segundo a secretaria, Doria "nunca disse que a miséria da seca deveria ser explorada nem defendeu redução de investimentos em irrigação". "'A caatinga brasileira poderia ser um ponto de visitação turística e gerar uma fonte de renda para a população sofrida da área, respeitando as características culturais e humanas da população, sem exploração da miséria', disse ele na ocasião."

registrado em: João Doria Jr, Nordeste