“É óbvio que Temer operou impeachment de Dilma”, diz Maia

Sobre sua relação com Bolsonaro, Maia evitou fazer críticas e disse que o presidente vem fazendo um discurso mais conciliador

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, junto do ex-presidente Michel Temer. 
Foto: Agencia Brasil

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, junto do ex-presidente Michel Temer. Foto: Agencia Brasil

Política

O presidente da Câmara dos deputados Rodrigo Maia participou, na tarde deste sábado 5, de um evento da revista Piauí em São Paulo. Ao ser questionado sobre o papel de Michel Temer no processo de impeachment da ex-presidente Dilma, Maia disparou: “É obvio que Temer operou o processo de impeachment da Dilma”.

“Ela ia cair de qualquer jeito, mas operar o processo pensando em cargos futuros pode gerar um governo com dificuldades”, completou Maia.

O assunto sobre o impeachment surgiu depois que Maia foi questionado se não foi covarde de se recursar a protocolar o impeachment de Temer. “Não tive medo nenhum, ao contrário. Nove em cada 10 políticos comandariam o impeachment, mas fiz o contrario. As ambições pessoais não podem estar acima do cargo.”

O deputado aproveitou a ocasião para elogiar o ex-presidente Temer, o qual ele classifica como um bom governo. “O governo do Michel fez muita coisa organizada, inclusive a agenda de reformas de Bolsonaro”.

Já sobre sua relação com Bolsonaro, Maia evitou fazer críticas e disse que o presidente vem adotando um tom mais conciliador. “Fomos gerando os limites? Nos últimos meses, o presidente vem fazendo um discurso mais conciliador. Ele viu que em uma democracia ele não consegue governar sozinho. precisa do Supremo, Congresso e instituições”, disse.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem