Doria recua e devolverá 21 mi a projeto que ensina música a crianças

Em meio a críticas, o governador voltou atrás e vai manter o Projeto Guri, que atende 64 mil crianças e adolescentes

Doria recua e devolverá 21 mi a projeto que ensina música a crianças

Política

O Projeto Guri, considerado um dos maiores projetos socioeducativos do País, continuará funcionando plenamente. É o que promete João Doria (PSDB), em meio à péssima repercussão de um eventual desmonte do programa. Nesta segunda-feira 1º, o governador anunciou que vai devolver ao projeto 20,7 milhões de reais que seriam cortados.

O Guri ensina música a 64 mil crianças e adolescentes carentes em todo o Estado de São Paulo. Na sexta-feira 29, funcionários receberam um aviso de que seriam demitidos no próximo mês. Mais da metade dos educadores, músicos e coordenadores de polos foram comunicados.

Mais de 60 mil crianças e adolescentes carentes em todo o Estado de São Paulo aprendem música no Projeto Guri (Foto: Ciete Silvério/ Governo do Estado de São Paulo)

Professores e alunos foram pegos de surpresa com os cortes. Caso Doria não tivesse recuado, mais de 30 mil vagas seriam cortadas e mais da metade dos 382 pólos estaduais, fechados.

O secretário de Cultura, Sérgio Sá Leitão, considerou que a ONG se precipitou no aviso. “Foi uma decisão preventiva, tomada pela organização social porque o aviso prévio dura trinta dias. Mas sempre apontamos nesse ínterim que uma decisão seria tomada”, justificou.

Os cortes no Projeto Guri estão ligados a um a congelamento de 148 milhões de reais no orçamento da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, equivalente a 23% do borderô total da pasta. Apesar do recuo, a medida continuará em vigor. O governo calcula um déficit de 10,5 bilhões, e promete cortes em outras pastas.

O orçamento anual do projeto — mantido por uma organização social — para este ano é de 94,7 milhões. Doria prometeu ainda ampliar o investimento no projeto a partir de 2020, com o patrocínio de empresas privadas.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editora-executiva do site de CartaCapital

Compartilhar postagem