Política

Doria: Quem não concordar com o “novo PSDB”, que saia

Às vésperas da convenção nacional tucana que deve consolidar seu poder no partido, governador de São Paulo mira dissidentes na legenda

Gilberto Marques/Governo de São Paulo
Gilberto Marques/Governo de São Paulo

Em um evento para novos filiados ao PSDB, na noite de sexta-feira 24, o governador de São Paulo, João Doria, afirmou que aqueles que não concordarem com as diretrizes “do novo PSDB” devem deixar a sigla. As informações são do jornal Folha de São Paulo. 

“O novo PSDB não apaga seus 30 anos de história. Mas, a partir de agora, o partido não vai viver de história, vai fazer diferente. E aqueles que não concordam, não há problema. Nós não estamos aqui construindo o novo PSDB obrigando todos a concordarem. Não há democracia por unanimidade, só ditaduras advogam unanimidade. Mas os que não concordarem peçam para sair. Tenham dignidade, tenham grandeza de defender seus interesses fora do partido”, disse.

 

Em seu comentário, Doria se referia ao sociólogo Fernando Guimarães, que coordena a frente Esquerda para Valer dentro do PSDB e que pode ser expulso devido a um processo no Conselho de Ética da legenda. O governador, inclusive, parabenizou os dirigentes do PSDB da capital paulista, Fernando Alfredo, e do PSDB estadual, Marco Vinholi, por terem aberto o processo.

“Eu gostei, Fernandão, quando você e o Vinholi tiveram atitude corajosa e altiva. Esquerda pra Valer não tem mais espaço no PSDB. Nem extrema esquerda nem extrema direita. Saia e escolha seu partido. É justo”, afirmou.

A convenção nacional do PSDB ocorre em 31 de maio, quando Doria deve consolidar o seu poder na legenda.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!