Doria: Não há a menor possibilidade de motim da PM a favor de Bolsonaro

'Não há, não houve e não haverá, pelo menos da Polícia Militar de São Paulo', disse o governador

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Foto: GOVSP

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Foto: GOVSP

Política

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), descartou, nesta quarta-feira 25 a possibilidade de motim por parte dos policiais militares do Estado.

“Aqui em São Paulo, não há e não haverá motim algum. Nós teremos as manifestações no dia 7 de setembro e no dia 12 de setembro. No dia 7 de setembro, daqueles que apoiam o presidente Jair Bolsonaro. No dia 12 de setembro, daqueles que são contra Jair Bolsonaro. Nós não vamos ter manifestações contrárias no mesmo dia, na mesma data, pela razão óbvia de que nós não queremos estimular confrontos entre posições distintas. E não há a menor possibilidade de motim. Não há, não houve e não haverá, pelo menos da Polícia Militar de São Paulo”, disse o tucano.

 

Doria deu a declaração em coletiva de imprensa pela manhã. Durante cúpula de governadores na segunda-feira 23 alguns líderes estaduais manifestaram preocupação com a partidarização política de setores das polícias militares.

A discussão ganhou força após o coronel Aleksander Lacerda, então chefe do comando de policiamento do Interior-7 da Polícia Militar paulista, usou redes sociais para criticar Doria e pedir a participação de “amigos” nas manifestações de 7 de setembro em desagravo ao presidente Jair Bolsonaro.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem