Doria inicia busca por votos nas prévias do PSDB

Governador de São Paulo poderá ter como concorrentes Eduardo Leite, o senador Tasso Jereissati e Arthur Virgílio

João Doria, governador do estado de São Paulo - Foto: Foto: Governo do Estado de São Paulo

João Doria, governador do estado de São Paulo - Foto: Foto: Governo do Estado de São Paulo

Política

Em ritmo de campanha eleitoral, o governador de São Paulo, João Doria, começa amanhã uma maratona pelo Brasil em busca de votos nas prévias, marcadas para 21 de novembro, que irão definir quem será o candidato do PSDB à Presidência no ano que vem. O diretório estadual paulista do partido pagou 25 mil reais pelo aluguel de uma aeronave para levar o tucano pela manhã para Campo Grande (MS) e à tarde até Goiânia.

Até o dia da eleição interna, Doria pretende manter o mesmo ritmo: visitar duas capitais por fim de semana. Em Goiânia e em Campo Grande, o governador vai discursar em um palco para cerca de 100 pessoas do partido, entre líderes, prefeitos, vices e vereadores. Na primeira agenda, Doria subirá ao palco ao lado do ex-governador e aliado Marconi Perillo. Em Mato Grosso do Sul, terá a retaguarda do governador Reinaldo Azambuja. O PSDB tem 37 prefeitos e 16 vices em Mato Grosso do Sul. Em Goiás, são 16 prefeitos e 24 vices.

Por causa da expectativa de grande número de participantes na plateia, o presidente do PSDB-SP e secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, afirmou que todas as medidas de segurança sanitária serão tomadas. “Agora, é colocar o pé na estrada. O foco será o discurso da valorização da vacina e a retomada do País com um modelo mais liberal”, afirmou.

Em outra frente, o PSDB paulista vai realizar encontros regionais no interior nos próximos meses. O PSDB comanda 202 prefeituras e tem 101 vice-prefeitos em São Paulo, o maior colégio eleitoral tucano.

A eleição não será direta, e são quatro grupos de votantes – (1) filiados; (2) prefeitos e vice-prefeitos; (3) vereadores, deputados estaduais e distritais; (4) governadores, vice-governadores, ex-presidentes e o atual presidente da Comissão Executiva Nacional, deputados federais e senadores. Cada um desses grupos tem peso de 25% no total dos votos.

 

 

A campanha de Doria no PSDB está sendo coordenada por seu secretário particular, Wilson Pedroso, que também coordenou a campanha eleitoral de 2018. A equipe do governador vai montar um “bunker”, que será instalado em uma casa alugada ou na sede estadual do partido. É onde ficará uma equipe de comunicação digital.

Além de Doria, são cotados para concorrer às prévias tucanas o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, o senador cearense Tasso Jereissati e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio.

Com menos recursos do que os rivais e sem cargo público no momento, Arthur Virgílio vai pedir ajuda ao diretório nacional para poder viajar pelo País para fazer “campanha”. Já o governador gaúcho, Eduardo Leite, viajou para cinco cidades onde tem aliados fortes: Vitória, Florianópolis, Curitiba, Rio de Janeiro e Brasília. O tucano foi em avião de carreira e também teve as despesas pagas pelo diretório local, que não informou os custos.

O estilo, porém, é diferente. Os encontros de Eduardo Leite são menores e híbridos – parte deles é feita por teleconferência. “Doria sai com vantagem, mas não é favorito”, disse o deputado Lucas Redecker, presidente do PSDB-RS, que coordena a pré-campanha do governador gaúcho. “Não conversamos ainda sobre como serão os custos, mas não temos os mesmos recursos que o PSDB paulista”, disse.

Em suas falas, Leite faz um relato do seu mandato, defende as reformas, prega privatizações e repete o mantra da terceira via sem radicalismos. “Não é muito o estilo dele criticar duramente ou falar mal de alguém”, afirmou Redecker. Já Doria mantém uma retórica inflamada contra Bolsonaro e planeja reforçar a artilharia contra Lula e o PT nos eventos com a militância.

Por sua vez, o senador cearense Tasso Jereissati não planeja viajar e tem feito uma campanha “moderada” em conversas virtuais e postagens nas redes sociais.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem