Política

Dino cassa a aposentadoria de delegado da PF por fraude

A decisão do ministro da Justiça decorre de uma sentença assinada pelo juiz federal Vigdor Teitel, da 11ª Vara Federal do Rio

O ministro da Justiça, Flávio Dino, indicado pelo presidente Lula para o STF Foto: Lula Marques/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Flávio Dino, assinou a cassação da aposentadoria do delegado da Polícia Federal Daniel Leite Brandão.

O despacho de Dino, publicado em 27 de novembro no Diário Oficial da União, decorre de uma sentença assinada pelo juiz federal Vigdor Teitel, da 11ª Vara Federal do Rio de Janeiro, em 12 de setembro.

A sentença reforça a determinação pela cassação da aposentadoria, após a rejeição de recursos.

Leite Brandão foi um dos alvos da Operação Cerol, deflagrada no Rio pela Polícia Federal em 2006. Na ocasião, foram presos seis delegados e outras 11 pessoas. O objetivo da ação era combater fraudes no recolhimento de impostos, sonegação fiscal e contrabando.

Segundo a PF, policiais federais, alguns deles em cargos de chefia, recebiam promessa de vantagens financeiras para beneficiar acusados na condução de inquéritos.

Ao todo, o relatório da PF que sustentou a operação apontava que delegados, advogados e empresários tentaram manipular mais de 400 inquéritos sobre desvios de altas somas de dinheiro, principalmente da Previdência Social.

“Houve um específico interesse no redirecionamento de todos os mais de 400 inquéritos referentes a não-recolhimento de contribuições previdenciárias por parte de empresas”, dizia o o documento, divulgado em 2006 pelo jornal O Globo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.