Política

Deputada do PL quer obrigar Lula a se hospedar somente em embaixadas durante agendas internacionais

Projeto de lei solicita que todo presidente em exercício se hospede em embaixadas durante compromissos internacionais

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Foto: Cláudio Kbene/PR
Apoie Siga-nos no

A deputada federal Roseane Valle (PL-SP) apresentou na quinta-feira 13 um projetro de lei que obriga o presidente da república a se hospedar em embaixadas sempre que viajar para fora do Brasil.

De acordo com a proposta, o presidente só poderia buscar um “local alternativo” caso esteja em um país que a embaixada não tenha condições de recepcioná-lo. No projeto, os prédios teriam de se adaptar para oferecer acomodações adequadas ao presidente em exercício.

O PL no entanto desconsidera a distância entre embaixadas e as localidades em que possíveis agendas internacionais ocorram, assim como deixa de levar em consideração a segurança necessária para hospedar o presidente em exercício.

A proposta tem como foco indireto atacar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que desde a posse em janeiro mantém intensas agendas no exterior em busca de novos acordos e a reaproximação com países desgastados pelo governo Bolsonaro.

Segundo levantamento revelado pela Folha de SP, Lula gastou R$ 24 milhões em agendas internacionais nos últimos sete meses.

Os quatro anos de governo de Jair Bolsonaro foram marcados por poucos acordos internacionais e reuniões fora do país, mas amargaram R$ 122 milhões aos cofres públicos com viagens.

A exemplo, o maior gasto do então presidente foi com uma hospedagem no Guarujá enquanto estava de folga. Bolsonaro desembolsou R$ 107 mil em um único dia em hospedagens na Hotur São Paulo durante o feriado de Páscoa.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo