…

Demetrios e Estadão

Política

Há 42 anos, um certo Lenildo Tabosa Pessoa escreveu um texto intitulado “O Senhor Demetrio”, ou seja, eu mesmo, Mino, que na hora do batismo não tive a oportunidade de protestar ao ser marcado por nome tão pesado. Ao menos, na minha opinião. Quando comecei a escrever, ou a pintar, passei a me chamar Mino.

O tal Lenildo em 1970 definia-me como um hipócrita pretensamente refinado, disposto a servir tanto a Máfia quanto o Kremlin. O mesmo, três anos depois, diria a meu respeito, e pela tevê Globo, um certo Amaral Neto, titular de um programa noturno de grande audiência. Eram tempos difíceis, como sabemos.

O tal Lenildo era redator do Estadão e pretendia publicar seu libelo no jornal. Os diretores da casa, Julio de Mesquita Neto e Ruy Mesquita, não deixaram, e o texto saiu como matéria paga. Foi a forma encontrada pelos herdeiros do doutor Julinho para deixar claro que o artigo não contava com sua aprovação. Pareceu-me justa providencia, em memória do meu pai, que trabalhou por 16 anos no Estadão, e de respeito por mim, e do meu leal desempenho na criação da Edição de Esportes e do Jornal da Tarde.

Hoje saiu na página dois do Estadão uma obra-prima de humorismo assinada por um senhor Demetrio. Limito-me a constatar que o jornalão não é mais o mesmo.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem
…

Demetrios e Estadão

Política

Há 42 anos, um certo Lenildo Tabosa Pessoa escreveu um texto intitulado “O Senhor Demetrio”, ou seja, eu mesmo, Mino, que na hora do batismo não tive a oportunidade de protestar ao ser marcado por nome tão pesado. Ao menos, na minha opinião. Quando comecei a escrever, ou a pintar, passei a me chamar Mino.

O tal Lenildo em 1970 definia-me como um hipócrita pretensamente refinado, disposto a servir tanto a Máfia quanto o Kremlin. O mesmo, três anos depois, diria a meu respeito, e pela tevê Globo, um certo Amaral Neto, titular de um programa noturno de grande audiência. Eram tempos difíceis, como sabemos.

O tal Lenildo era redator do Estadão e pretendia publicar seu libelo no jornal. Os diretores da casa, Julio de Mesquita Neto e Ruy Mesquita, não deixaram, e o texto saiu como matéria paga. Foi a forma encontrada pelos herdeiros do doutor Julinho para deixar claro que o artigo não contava com sua aprovação. Pareceu-me justa providencia, em memória do meu pai, que trabalhou por 16 anos no Estadão, e de respeito por mim, e do meu leal desempenho na criação da Edição de Esportes e do Jornal da Tarde.

Hoje saiu na página dois do Estadão uma obra-prima de humorismo assinada por um senhor Demetrio. Limito-me a constatar que o jornalão não é mais o mesmo.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem