Política

Lava Jato

Delação da Odebrecht aumenta a pressão sobre Geraldo Alckmin

por Redação — publicado 09/12/2016 17h18
Executivos relataram repasses milionários em espécie para a campanha do tucano, diz jornal. Caixa dois ou pagamento de promessa?
Alexandre Carvalho/A2img/Fotos Públicas
Alckmin

Executivos da Odebrecht relataram repasses em dinheiro vivo para campanhas de Alckmin

Não há Santo sem passado, diz o velho adágio católico. Em acordo de delação premiada, executivos da Odebrecht admitiram ter feito repasses milionários de caixa dois, em dinheiro vivo, para as campanhas de 2010 e 2014 do governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB). As informações foram reveladas pela Folha de S.Paulo na edição desta sexta-feira 9.

A delação, ainda não homologada pela Justiça, menciona um repasse de 2 milhões de reais em espécie ao empresário Adhemar Ribeiro, cunhado de Alckmin, relata o jornal. Os recursos seriam para abastecer a campanha do tucano ao governo estadual em 2010, e não foram declarados à Justiça Eleitoral.

Para a reeleição, em 2014, também foram realizados pagamentos de caixa dois, com a intermediação de Marcos Monteiro, hoje secretário de Planejamento de Alckmin. Ainda de acordo com a Folha, a negociata foi delatada por Carlos Armando Paschoal, ex-diretor da Odebrecht em São Paulo, responsável por negociar doações.

Em sua defesa, Alckmin afirma que apenas os tesoureiros oficiais de suas campanhas estavam autorizados a arrecadar doações eleitorais, além de considerar “prematuras” quaisquer conclusões extraídas de delações não homologadas. A assessoria de Marcos Monteiro, por sua vez, informou que o secretário atua como tesoureiro do Diretório Estadual do PSDB há apenas dois anos, e sempre prestou contas à Justiça Eleitoral.

Os depoimentos reforçam, porém, a suspeita de que o governador paulista é o “Santo” mencionado nas planilhas da Odebrecht apreendidas pela Polícia Federal. No fim de setembro, quando foi deflagrada a 35ª fase da Lava Jato, batizada de Operação Omertá, os investigadores da Lava Jato tiveram acesso a uma série de e-mails que tratam de propinas em dezenas de grandes obras da construtora pelo País.

Todos os e-mails com indícios de supostos esquemas de corrupção com participação da companhia são de seus funcionários e datados a partir de 2003. A maioria é do chamado Setor de Operações Estruturadas da empresa, intitulado pela Polícia Federal como “departamento de propina”.

São pelo menos 30 mensagens que tratam de pagamentos indevidos, identificados internamente pelos empregados com a sigla DGI, que foram trocados entre executivos da companhia e o próprio Marcelo Odebrecht.

Muitas fazem menção a obras no Porto de Rio Grande (RS) e de Laguna (SC), Metrô de Ipanema (RJ), ou a reforma de um Centro Educacional Unificado (CEU) de São Paulo, entre outras. Até mesmo o processamento e tratamento do lixo paulista é envolvido.

No entanto, mais uma vez, aparecem indícios de pagamentos para agentes públicos envolvidos nas obras das Linhas 2 (Verde) e 4 (Amarela) do Metrô de São Paulo. Dois casos se destacam: um relato de propina para um beneficiário identificado como “Santo” e supostos pagamentos destinados a um receptor no Ministério Público de São Paulo, com o objetivo de favorecer a empresa.

“Com as deflagrações, em decorrência de investigações policiais, descortinou-se que o grupo empresarial Odebrecht aparelhou um setor dentro de sua estrutura societária voltado exclusivamente para pagamentos ilícitos e à margem de qualquer contabilidade legal para agentes públicos e políticos”, diz o texto da PF.

Os indícios acerca de “Santo” mostram que esse agente público, ainda não identificado pela Polícia Federal (ao menos formalmente), pode ter relação com atividade política e eleitoral no estado de São Paulo.

Em uma das várias menções ao apelido, há um e-mail que fala no pagamento de 500 mil reais ao beneficiário para “ajuda de campanha” com “vistas a interesses locais”. O e-mail, datado de setembro de 2004, programa o pagamento do valor em duas parcelas de 250 mil reais, com intervalo de cinco dias entre a primeira e a segunda.

Para a Polícia Federal, a propina não era simples “caixa 2” de campanha. “Verificou-se que alguns pagamentos eram solicitados explicitamente a título de contribuição para campanhas eleitorais, mas, ao contrário de qualquer alegação de que se trataria apenas de contribuição popularmente conhecida como ‘caixa 2’, encontravam-se diretamente atrelados ao favorecimento futuro da Odebrecht em obras públicas da área de interferência dos agentes políticos” afirma a representação.

O pagamento ao agente público foi pedido por um diretor de contrato da Odebrecht que era responsável justamente pelas obras na Linha 4 do Metrô. Os e-mails mostram que a porcentagem de propina em cima desses pagamentos podia chegar até a 4% do valor recebido pela construtora. O governador de São Paulo na época dos pagamentos e, portanto, responsável pelas obras de transporte, era o tucano Geraldo Alckmin, de novo à frente do Palácio dos Bandeirantes.

documentoSanto.jpeg

Além de “Santo”, há menção ao pagamento de propina referente às obras no Metrô paulista para outros apelidos, como “Estrela”, “Corintiano”, “Santista”, “Brasileiro”, “Bragança”, “Vizinho” e “Cambada de SP”. À época, nenhum dos codinomes havia sido identificado.

Essa não foi a primeira vez que “Santo” apareceu em anotações ou documentos da Odebrecht apreendidos pela PF, em referência a obras do PSDB. Em março deste ano, um manuscrito foi encontrado na casa de um dos executivos da empreiteira com referência à formação de cartel e pagamento de propina em uma obra de 2002.

Tratava-se da duplicação da Rodovia Mogi-Dutra, no interior paulista, e de um suposto pagamento de 5% do valor do contrato para o “Santo”. O papel ainda apresentava um cálculo: essa obra custaria 68,7 milhões, a implicar pouco mais de 3,4 milhões de reais em propina. Assim como agora, Alckmin também era o governador.