Política

Datafolha: Maioria rejeita porte de armas e licença para polícia matar

Principais pontos do projeto anticrime apresentado pelo ministro Sérgio Moro e defendido por Bolsonaro não agradam aos brasileiros

Apoie Siga-nos no

Uma pesquisa feita pelo Datafolha divulgada nesta quinta-feira 11 mostra que o projeto anticrime apresentado pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro, não é tão popular como ele acredita. Oitenta e um por cento dos entrevistados são contra a isenção de pena para policial que matar em serviço. Pela lei atual, o policial deve aguardar uma ameaça concreta ou início do crime para então reagir. Para Moro, a proposta pretende diminuir a sensação de insegurança durante atuação policial.

Esse não é o único ponto da pesquisa que vai contra o projeto apresentado pelo ministro: 64% dos brasileiros são contra o porte de armas. Essas foram promessas da campanha do presidente Jair Bolsonaro. O culto às armas, inclusive, foi sua marca registrada durante a disputa pela cadeira do Executivo. Nos primeiros 15 dias de governo, o presidente facilitou a posse de armas por meio de um decreto. Agora, qualquer cidadão pode adquirir armamento para uso dentro de casa.

 

Isso traz mais segurança? Não para 72% dos brasileiros. A pesquisa Datafolha mostra que uma maioria significativa não acredita que a sociedade se torne mais segura com pessoas armadas para se proteger.

Esses resultados são um balde de água fria no projeto de Moro. Prometendo aprová-lo ainda nos primeiros cem dias de governo, o ministro foi surpreendido pelo Congresso, que deixou de lado sua proposta para se dedicar à reforma da Previdência. Moro chegou a se desentender com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, por tentar pressioná-lo para colocar o projeto para análise.

Maia chegou a dizer que a proposta de Moro é um “copia e cola” do projeto apresentado pelo ex-ministro da Justiça e atual integrante do STF, Alexandre de Moraes. Uma análise feita pela Folha de S.Paulo mostra que Moro não amparou suas propostas em evidências, estudos ou boas práticas. No lugar delas, destacou indícios de apoio popular a duas medidas: a prisão de condenados em segunda instância e o confisco de bens de criminosos.

Sérgio Moro é o mais popular e mais bem avaliado ministro do governo Bolsonaro, segundo pesquisa Datafolha. O ex-juiz federal é conhecido por 93% dos entrevistados, e seu desempenho na pasta é considerado ótimo ou bom por 59% dos brasileiros.

Medo da polícia

Outro ponto que deve ser destacado é a percepção de confiança que a população tem na polícia. Segundo o Datafolha, 51% dos brasileiros têm mais medo que confiança na polícia, enquanto 47% confiam na corporação mais do que a temem. Homens (52%), pessoas de cor branca (51%) e com renda superior a 10 salários mínimos (58%) estão entre as que mais confiam nas forças policiais.

Já o medo supera a confiança entre mulheres (55%), jovens de 16 e 24 anos (53%), pessoas de cor preta (55%), amarela (56%) e indígenas (60%), além daqueles com renda de até 2 salários mínimos (54%).

Alexandre Putti

Alexandre Putti
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.