Datafolha em SP: Covas tem 37% dos votos válidos e Boulos é segundo, com 17%

Candidato do PSOL aparece tecnicamente empatado com França e Russomanno a um dia da eleição

Fotos: Reprodução/Facebook - Divulgação/Flickr/Bruno Covas

Fotos: Reprodução/Facebook - Divulgação/Flickr/Bruno Covas

Política

Pesquisa Datafolha divulgada neste sábado 14, véspera do primeiro turno das eleições municipais, aponta o prefeito de São Paulo e candidato à reeleição, Bruno Covas (PSDB), com 37% das intenções de votos válidos. Guilherme Boulos (PSOL), com 17%, é o segundo, tecnicamente empatado com Márcio França (PSB), que tem 14%, e com Celso Russomanno (Republicanos), que aparece com 13%.

 

 

Na sequência aparecem Arthur do Val – Mamãe Falei (Patriota) e Jilmar Tatto (PT), com 6%; Joice Hasselmann (PSL), com 3%; Andrea Matarazzo (PSD), com 2%; e Marina Helou (Rede), Vera Lúcia (PSTU) e Orlando Silva (PCdoB), com 1%.

Levy Fidelix (PRTB) e Antônio Carlos Silva (PCO) não atingiram 1%.

Em relação ao levantamento de 11 de novembro, considerando votos válidos, Covas foi de 36% para 37%, Boulos permaneceu com 17%, França foi de 13% para 14% e Russomanno foi de 15% para 13%.

Nos votos totais (incluindo os votos brancos e nulos), Covas tem 33%, contra 15% de Boulos, 12% de França e 11% de Russomanno.

Brancos e nulos somam 8%. Não sabem ou não responderam 4% dos entrevistados.

O Datafolha ouviu 2.987 eleitores na cidade de São Paulo nos dias 13 e 14 de novembro de 2020. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem