…

Datafolha: Bolsonaro tem 28%; Haddad registra 22% e Ciro, 11%

Política

Nova pesquisa Datafolha divulgada pelo Jornal Nacional nesta sexta-feira 28 indica que Jair Bolsonaro, candidato à Presidência pelo PSL, tem 28% das intenções de voto. No último levantamento do instituto, ele registrava a mesma pontuação. 

Fernando Haddad, do PT, subiu de 16% para 22%, segundo o Datafolha. Já Ciro Gomes, do PDT, oscilou negativamente de 13% para 11%. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais. 

Leia também:
Quatro mulheres, quatro visões: como pensam as candidatas a vice
Ciro Gomes: “Não é mais possível para mim andar com o PT na política”

Geraldo Alckmin, do PSDB, continua estagnado, com 10% dos votos (tinha 9%). Marina Silva, da Rede, registrou 5% (tinha 7%). O instituto ouviu 9 mil eleitores em 343 cidades entre a quarta 26 e esta sexta 28. 

Haddad cresceu 12 pontos na região Nordeste, e 13 pontos na região Norte. Nas menções espontâneas, diz o Datafolha, chegou a 17%. 

A rejeição de Bolsonaro subiu, de acordo com o instituto, de 43% para 46% na última semana. A do petista também: foi de 29% a 32%. Entre as mulheres, a rejeição do capitão reformado do Exército é de 52%. Jovens entre 16 e 24 anos (55%) e os mais pobres (52%) também puxaram o aumento do índice. 

Nas simulações de segundo turno, Bolsonaro perde para Haddad e Ciro. O petista saiu do empate em 41% e supera o candidato do PSL por 45% a 39%. O pedetista tem vantagem ainda maior: 48% a 38% contra o ex-militar. 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem