Datafolha: Aprovação de Mandetta é mais do que o dobro da de Bolsonaro

Presidente é o único que teve aumento de sua rejeição perante a crise do coronavírus

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (Foto: Marcos Corrêa / PR)

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (Foto: Marcos Corrêa / PR)

Política

Mais uma pesquisa foi divulgada nesta sexta-feira 03 analisando a opinião popular sobre os políticos perante à crise causada pelo novo coronavírus. Segundo o Datafolha, a popularidade do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disparou nas últimas semanas.

Na rodada anterior, feita de 18 a 20 de março, a pasta era aprovada por 55%. Agora, o número saltou para 76%, enquanto a reprovação caiu de 12% para 5%.

Enquanto seu ministro se destaca, o presidente Jair Bolsonaro viu sua reprovação aumentar  de 33% para 39%, crescimento no limite da margem de erro. A aprovação segue estável (33% ante 35%), assim como a avaliação regular (26% para 25%).

O instituto de pesquisa também analisou os governadores e prefeitos do Brasil. Aprovam a gestão de seus governadores 58% dos brasileiros, ante 55% da rodada anterior. Os reprovam os mesmos 16% e a avaliação regular caiu de 28% para 23%. Já os prefeitos recebem avaliação “ótimo/bom” de 50%, “regular” de 25% e “ruim/péssimo” de 22%.

Rejeição de Bolsonaro aumenta

Bolsonaro é o único que vê sua rejeição subir perante à crise. Isso porque o ex-capitão defende o fim do isolamento social, ação muito recomendada por órgãos mundiais de saúde pelo mundo. O presidente chegou a fazer um pronunciamento oficial chamando a pandemia de “gripezinha” e incentivando as pessoas voltarem às suas rotinas.

A declaração de Bolsonaro vai de encontro com a atitude dos 27 governadores, que decretaram quarentena em seus estados para barrar o aumento das infecções do novo vírus, que já matou mais de 50 mil pessoas pelo mundo.

Além dos governadores, o ministro da Saúde também tem incentivado que as pessoas fiquem em casa, o que tem esquentado o clima entre o presidente e ele. Nesta quinta-feira, em entrevista à rádio Jovem Pan, Bolsonaro afirmou que não pretende demitir Mandetta, mas disse que “tá faltando humildade” ao chefe da Saúde e destacou que “nenhum ministro é indemissível”.

Bolsonaro é pior avaliado por mulheres (43% de reprovação), pessoas com curso superior (50%) e mais ricos (acima de 10 salários mínimos mensais, 46%). O levantamento ouviu 1.511 pessoas por telefone, para evitar contato pessoal, e tem margem de erro de três pontos percentuais para mais ou menos.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem