…

Datafolha: 43% das mulheres não votariam ‘de jeito nenhum’ em Bolsonaro

Política

eleicoes-selo.pngJair Bolsonaro não agrada mesmo o eleitorado feminino. Divulgada nesta quarta-feira 22, a pesquisa Datafolha mostrou um aumento, entre junho e agosto, de oito pontos percentuais na taxa de rejeição do candidato entre as mulheres, que representam 53% dos eleitores. Do total, 43% delas afirmam que jamais votariam no deputado. Lula aparece em seguida, com 33% de rejeição entre elas.

Apesar do crescimento nos índices de rejeição, o candidato do PSL conseguiu conquistar algumas eleitoras – as intenções de voto a ele passaram de 12% para 14% entre as mulheres. Mas ainda é Bolsonaro o nome com maior diferença nas intenções de voto entre eleitores do sexo masculino e feminino.

Tamanha rejeição tem explicação. No último debate, da Rede TV!, levou uma sova de Marina Silva. A candidata da REDE relembrou o fato de que Bolsonaro acha desnecessário pensar em políticas de igualdade salarial entre homens e mulheres. “Só uma pessoa que não sabe o que é ganhar um salário menor do que um homem tendo as mesmas capacidades, as mesmas  competências, e ser demitida é quem sabe”, disse Marina Silva. E concluiu: “Um presidente da República está lá para combater injustiça.”

Leia também:
Como conversar entender os eleitores de Bolsonaro?
“Se conhecêssemos nossa história, Bolsonaro não seria candidato”

É ela, inclusive, quem mais recebe apoio do eleitorado feminino, em um cenário sem Lula, preso por corrupção. 19% declararam voto em Marina Silva se o ex-presidente não participar das eleições. Outras 23%, no entanto, não votariam “de jeito nenhum” na candidata – taxa de rejeição semelhante a dos candidatos Geraldo Alckmin, do PSDB, e Ciro Gomes, do PDT.

Em um cenário com Lula, o candidato do PT receberia 39% dos votos femininos. Na sequência, aparece o nome de Bolsonaro, com 13% de intenções de votos das mulheres, e Marina Silva, com 10%.  

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem