Política

Crivella diz que Covid-19 matou menos que o esperado

Prefeito do Rio e candidato à reeleição estimula retomada econômica

'Agora precisamos retomar a economia, já que as curvas todas, há meses, estão descendentes
'Agora precisamos retomar a economia, já que as curvas todas, há meses, estão descendentes", disse'. Foto: Marcos Corrêa/PR 'Agora precisamos retomar a economia, já que as curvas todas, há meses, estão descendentes", disse'. Foto: Marcos Corrêa/PR

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos), defendeu a retomada da economia carioca, já que, segundo ele, na capital fluminense, não aconteceram “as mortes previstas pelos especialistas da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz)”.

A fala do prefeito encerrou uma apresentação ao vivo em sua página no Facebook na qual, pela primeira vez, apareceu ao lado do presidente Jair Bolsonaro, recebendo apoio à sua candidatura à reeleição.

Crivella disse que apresentará medidas de retomada nesta terça-feira 3, “depois de todo faseamento (divisão de tarefas) com comitês científicos”. Segundo o prefeito, com as medidas tomadas e equipamentos comprados para enfrentar a pandemia no Rio, o número de mortes por contaminação pelo novo coronavírus ficou abaixo da projeção de 3% da população feita pela Fiocruz.

Crivella calculou o número de óbitos em cerca de 10 mil, segundo ele, quase 20 vezes menos do que previram os especialistas. “Agora precisamos retomar a economia, já que as curvas todas, há meses, estão descendentes”, disse.

A peça de dois minutos ao lado de Bolsonaro, que será incluída na campanha de televisão, foi gravada antecipadamente em Brasília e finalizou a transmissão ao vivo no Facebook. No vídeo presidente e prefeito enfatizam que compartilham valores morais e políticos, de defesa da família e resistência a movimentos considerados de esquerda.

Bolsonaro iniciou sua fala com um apelo para que os cariocas que pensam em não votar nesta eleição à Prefeitura do Rio mudem de ideia e optem por Crivella. O presidente também classificou o prefeito como um conservador, assim como ele, e disse que, na América do Sul, alguns países estão voltando a ser “pintados de vermelho”. “Nós não queremos isso em nosso País”, disse Bolsonaro.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!