Criminalizar LGBTfobia dificulta emprego a homossexuais, diz Bolsonaro

Para combater a medida, Bolsonaro voltou a defender a indicação de um ministro evangélico para a Suprema Corte

AGU recorre de decisão do STF que criminalizou a LGBTfobia .

AGU recorre de decisão do STF que criminalizou a LGBTfobia .

Política

O presidente Jair Bolsonaro comentou, na manhã desta sexta-feira 14, a decisão do Supremo Tribunal Federal de igualar a LGBTfobia ao crime de racismo. Para o presidente, a medida prejudica os homossexuais na hora de arrumar um emprego, pois o ‘patrão ficará receoso ao ser acusado falsamente de racismo se o futuro funcionário for demitido um dia’. “Não tem na testa que ele é gay”, afirmou o presidente, em café da manhã com os jornalistas.

Bolsonaro, que já se declarou homofóbico diversas vezes, considera a decisão da Corte equivocada e diz que os ministros estão fazendo um trabalho que cabe apenas ao Congresso. “A convivência do País com a instituição está se tornando insuportável”, disse.

 

O presidente, em seus quatro anos de mandato, terá direito a indicar dois nomes para a Suprema Corte. Em 2020, com a saída do decano Celso de Mello, e em 2021, com a saída do ministro Marco Aurélio Mello. No encontro com os jornalista nesta manhã, Bolsonaro voltou a defender um nome evangélico para ocupar a cadeira no STF. “Um ministro evangélico poderia se contrapor à criminalização da homofobia com base em trechos da Bíblia e, se visse que sua posição estava perdendo, pedir vista”, disse o presidente.

Mesmo com essa declaração, Bolsonaro se contradisse e afirmou não querer envolver religião com política.

Agora é crime

O plenário do Supremo Tribunal Federal decidiu, nesta quinta-feira 13, que o crime de racismo seja enquadrado nos casos de agressões contra o público LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transsexuais).

A partir de agora, crimes de ódio contra a população LGBT serão punidos na forma do crime de racismo, cuja conduta é inafiançável e imprescritível. A pena varia entre um e cinco anos de reclusão, de acordo com a conduta.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem