‘CPI coloca às claras quem foi o responsável por metade das mortes’, diz Doria

O governador de São Paulo comentou as declarações do diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, à CPI da Covid

O governador João Doria (PSDB). Foto: Governo do Estado de São Paulo

O governador João Doria (PSDB). Foto: Governo do Estado de São Paulo

Política

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB) comentou nesta quinta-feira 27 o depoimento que o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, concede à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid. “Primeiro, eu defendo a CPI. Segundo, defendo que a CPI continue tendo a qualidade que vem demonstrando na defesa da verdade, porque esta é a função de uma comissão parlamentar de inquérito, e ela vem se destacando pela busca da verdade e é a verdade que Dimas Covas está falando”, disse o tucano.

 

 

“(Dimas Covas) está mostrando mais uma vez de forma clara que o governo (federal) não fez o que devia fazer: que poderia ter providenciado vacinas desde o ano passado e iniciado a vacinação. Preferiu comprar cloroquina ao invés de comprar vacina, que não comprou nem seringas nem agulhas para o programa de vacinação, que estimulou aglomerações, que não recomendou o uso de máscaras, chamou de ‘covardes’ as pessoas que ficaram em casa se protegendo e protegendo a vida de seus familiares”, afirmou Doria.

“Tudo isso é muito triste, mas a CPI está colocando às claras para que os brasileiros saibam com certeza quem foi o responsável por mais da metade das mortes que se acumulam no País. Quatrocentos e cinquenta mil brasileiros estão sepultados neste momento, metade poderia ter sido salva se tivéssemos vacinas e comportamento que liderasse o Brasil para a vida e não para a morte”, disse o governador durante entrega de vouchers para a compra de cestas básicas na região de Campinas (SP).

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem