CPI aprova requerimento para condução coercitiva de Marconny de Faria e apreensão de passaporte

Ele é apontado como intermediador da Precisa Medicamentos para a venda da Covaxin ao Ministério da Saúde

Foto: Pedro França/Agência Senado

Foto: Pedro França/Agência Senado

Política

Após a confirmação de que não será possível recolher o depoimento de Marconny Nunes Ribeiro Albernaz de Faria nesta quinta-feira 2, a CPI da Covid aprovou requerimentos de sua “condução coercitiva”, além do pedido de apreensão de seu passaporte por 30 dias. Faria é apontado como intermediador da Precisa Medicamentos para a venda de vacinas Covaxin ao Ministério da Saúde.

 

 

Marconny deveria ter se apresentado hoje para prestar seu depoimento no Senado. No entanto, mesmo que seus advogados tenham comparecido à CPI, Marconny não pode ser encontrado pelo colegiado. Pela manhã, ainda que ele não estivesse sendo localizado, o presidente do colegiado, Omar Aziz (PSD-AM), garantia que o plano era recolher seu depoimento de hoje. De acordo com o parlamentar, a polícia legislativa já estava no “encalço” de Faria.

Mesmo com a promessa, a CPI manteve o plano B, o de tomar o depoimento do ex-secretário de saúde do Distrito Federal Francisco Araújo Filho, que já está presente no Senado.

Pelos requerimentos aprovados hoje, será expedido ofício ao Ministério Público Federal para conhecimento dos fatos e adoção das providências cabíveis e, segundo Aziz, tudo será encaminhado à ministra do Supremo Tribunal Federal Cármen Lúcia.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem