Política

Corregedoria do MPF vai investigar palestras de Dallagnol

Segundo a colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S.Paulo Dallagnol e colega de força-tarefa têm dez dias para se explicarem

O coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol (Foto: Pedro de Oliveira/ALEP)
Apoie Siga-nos no

A Corregedoria Nacional do Ministério Público vai investigar as palestras dadas pelo procurador e coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol. A decisão teria sido assinada pelo corregedor Orlando Rochadel Moreira, baseada em uma representação do Partido dos Trabalhadores (PT). A informação é da colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S.Paulo.

O despacho, segundo a jornalista, contém as mensagens trocadas entre os membros da força-tarefa da Lava Jato, que “revelariam que os citados teriam se articulado para obter lucro mediante a realização de palestras pagas e obtidas com o uso de seus cargos públicos”. O documento também cita que “tais palestras teriam se dado em parceria com empresas privadas, com quem dividiram os valores”.

O texto, diz Bergamo, determina a instauração de reclamação disciplinar. O prazo é de dez dias para que Dallagnol e seu colega de força-tarefa, Roberson Pozzobon, se manifestem sobre o assunto. A investigação se dá após veiculação de mensagens pelo site The Intercept Brasil, em parceria com a Folha. De acordo com o conteúdo, o procurador teria criado um negócio de eventos e palestras, para lucrar a partir de sua fama com a condução da operação.

As mensagens mostram, ainda, que Dallagnol e Pozzobon planejavam não aparecerem oficialmente como sócios, para evitar críticas. “Vamos organizar congressos e eventos e lucrar, ok? É um bom jeito de aproveitar nosso networking e visibilidade”, escreveu Dallagnol em um chat no Telegram sobre o tema.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo