Política

Corregedoria da Câmara notifica Flordelis em processo que pode cassar seu mandato

A deputada tem cinco dias úteis de prazo para apresentar sua defesa por escrito

A deputada federal Flordelis (PSD) fala sobre a morte de seu marido, o pastor Anderson do Carmo. Foto: Fernando Frazão/Ag.Brasil
A deputada federal Flordelis (PSD) fala sobre a morte de seu marido, o pastor Anderson do Carmo. Foto: Fernando Frazão/Ag.Brasil

A deputada Flordelis (PSD-RJ) foi notificada nesta quarta-feira 09 pelo corregedor da Câmara, deputado Paulo Bengtson (PTB-PA), sobre o pedido de representação feito contra ela pelo deputado Léo Motta (PSL-MG).

Ela é acusada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro de ser a mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, em junho de 2019, em Niterói. A parlamentar diz que é inocente.

Agora a deputada tem cinco dias úteis de prazo para apresentar sua defesa por escrito. Depois disso, o corregedor tem até 45 dias para apresentar o parecer.

“Fizemos aqui uma força tarefa, o pessoal se debruçou na acusação, então já está bem adiantado. Eu creio que no máximo em 10 ou 15 dias no mais tardar a gente já tem o nosso parecer pronto”, adiantou Bengtson.

Pelas regras da Câmara, a Corregedoria faz a análise prévia da acusação, e a Mesa, se julgar procedente, remete o caso para o Conselho de Ética para abertura de processo contra a deputada.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!