Contra o MST, deputado tenta derrubar trecho de decreto pró-armas

Embora defensor do porte de armas, o deputado gaúcho não quer que a flexibilização valha para os militantes do movimento

O deputado gaúcho Jeronimo Goergen, do PP: cruzada contra o movimento sem-terra (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

O deputado gaúcho Jeronimo Goergen, do PP: cruzada contra o movimento sem-terra (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

Política

O deputado Jeronimo Goergen, do PP, ligado à base ruralista da Câmara, vai apresentar um projeto de lei contrário ao decreto 9.785/2019, que flexibiliza o porte de armas. O motivo? O texto dá brechas para que integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST) possam andar armados.

Embora seja a favor da flexibilização do porte, o deputado gaúcho não quer que a mudança prevista pelo decreto valha também para os integrantes do movimento.

O decreto presume a ‘efetiva necessidade por exercício de atividade profissional de risco ou de ameaça à sua integridade física’ — prevista pelo Estatuto do Desarmamento — a mais de vinte categorias profissionais. Foram beneficiados, entre outros, instrutores de tiro, caçadores, colecionadores, agentes de segurança pública, advogados, políticos, caminhoneiros e até jornalistas especializados em segurança pública.

Também são listados ‘residentes em áreas rurais’, o que dá brecha para que os integrantes do movimento possam andar armados. Goergen propõe, então, derrubar esse trecho.

Deputado há três mandatos, Goergen é um inimigo contumaz do movimento e autor de várias ações contra a atuação. Apresentou ao Ministério da Educação uma proposta para fechar as escolas infantis mantidas pelo MST e os cursos superiores oferecidos pelas universidades a militantes sem-terra.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editora-executiva do site de CartaCapital

Compartilhar postagem