Consórcio Nordeste cobra que Bolsonaro zere fila do Bolsa Família

Entre fevereiro e julho deste ano, Nordeste teve aumento de 25% em famílias à espera do benefício

Bolsa Família tem fila reprimida com milhares de famíias. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Bolsa Família tem fila reprimida com milhares de famíias. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Política

O Consórcio Nordeste enviou um ofício ao presidente Jair Bolsonaro, nesta quarta-feira 6, com o pedido de que o governo federal tome medidas para zerar a fila de espera do Bolsa Família.

No texto, o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), que preside o Consórcio, declarou que a fila do programa no Nordeste cresceu 25% entre fevereiro e julho deste ano.

 

 

 

Mais de 2,4 milhões de famílias que preenchem os requisitos para receber o benefício ainda não foram contempladas, diz o documento, formulado com base em levantamentos do Consórcio. Destas, 881.748 famílias estão no Nordeste, o que representa 36% do total.

“Diante dos dados apresentados, verifica-se a urgente necessidade de implementação de ações para zerar a fila de espera do Programa Bolsa Família, devendo o Estado Brasileiro garantir a proteção social pública e o direito de todo cidadão às condições mínimas de existência humana digna”, escreveu o Consórcio.

Em vídeo, Wellington Dias afirmou que também enviou a cobrança ao ministro da Cidadania, João Roma.

Criado há 18 anos pelo governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o Bolsa Família é considerado o maior programa de transferência de renda da América Latina. Hoje, o benefício é destinado a 14 milhões de famílias e está presente em todos os municípios brasileiros.

Em 2022, ano eleitoral, Bolsonaro pretende dar fim ao Bolsa Família e instituir o Auxílio Brasil, com a promessa de aumentar os valores. O governo, porém, ainda não decidiu como vai bancar o novo projeto, uma vez que o orçamento é limitado pelo teto de gastos.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem