Conselho do MP veta opção de Bolsonaro a comissão de mortos políticos

Indicado pelo presidente da República, o procurador Ailton Benedito já se mostrou entusiasta da ditadura

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Política

O Conselho Superior do Ministério Público Federal rejeitou a indicação do procurador Ailton Benedito para compor a Comissão Especial Sobre Mortos e Desaparecidos Políticos. O colegiado fez a decisão nesta terça-feira 6, por 6 votos contra 4.

A indicação de Benedito era da vontade do presidente Jair Bolsonaro (PSL). O procurador já se mostrou entusiasta da ditadura, em sua rede social, no dia 30 de março deste ano. Ele ocuparia a vaga do procurador Ivan Marx.

Na sessão, os conselheiros contrários à indicação de Benedito argumentaram que não cabe ao Executivo escolher o membro do MPF que fará parte da comissão. Embora a nomeação seja do presidente da República, era necessário que o Conselho Superior do MPF aprovasse a escolha.

Na semana passada, Bolsonaro demitiu quatro de sete membros da comissão, inclusive a procuradora Eugênia Gonzaga, que presidia o grupo. As exonerações ocorreram após declarações polêmicas do presidente da República sobre o motivo da morte de Fernando Santa Cruz, pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz. Na ocasião, a comissão contrariou a versão dada por Bolsonaro sobre o assassinato de Fernando.

Em coletiva de imprensa, na quinta-feira 1, Eugênia classificou declarações de Bolsonaro como injuriosas e ofensivas à moralidade pública. Para a procuradora, o presidente da República está “descumprindo o dever de representar e defender os órgãos do Estado”.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem