Política

Conflitos no campo atingem quase 1 milhão de trabalhadores em 2018

Minas Gerais lidera casos de conflito por água e trabalho escravo no país; mineradoras são protagonistas da tragédia

Cerca de 960 mil trabalhadores estiveram envolvidos em conflitos no campo no ano de 2018, segundo o novo relatório da Comissão Pastoral da Terra (CPT), divulgado na sexta-feira 12. Os dados apontam que o ano passado bateu recorde em relação aos conflitos por água no país desde 2002, estatística que apontou mineradoras como Samarco e Hydro Alunorte entre as principais motivadoras das denúncias. Além da água, a disputa por terra e o aumento de casos por trabalho escravo também compõem o cenário.

O aumento da violência não foi homogêneo no país – a região Norte dobrou os embates em relação a 2017. Para os conflitos por terra, os anos da “ruptura política”, que vão de 2015 a 2018, sustentam em um nível alto estatísticas observadas – com uma média anual de 127 mil famílias envolvidas.  Os indicadores desse período só são menores do que os do começo dos anos 2000, tempo no qual o país possuía mais de 200 mil famílias atreladas a confrontos agrários.

As mineradoras e a água

Em relação à água, o crescimento de 40% dos conflitos, segundo o relatório, têm três pontos emblemáticos em sua discussão. Entre eles, quase 60 ações envolvendo a tragédia de Mariana, em Minas Gerais, e outras 55 relacionadas à luta das comunidades do Baixo São Francisco sergipano contra interesses imobiliários especulativos.

No Pará, a cidade de Barcarena foi cenário de 30 ações contra a Hydro Alunorte, mineradora acusada de despejar irregularmente rejeitos químicos nos rios e afluentes da região.

Trabalho escravo

Em 2018, 86 casos de trabalho escravo foram denunciados, o que envolve 1465 pessoas. Cerca de 940 foram libertadas, resposta mais efetiva do que em 2017, apesar de ainda insuficiente em relação à região que sustenta a maior fatia do total, o Sudeste. Das quase 800 pessoas relatadas com mão de obra explorada, mais de 600 estavam localizados em Minas Gerais – e apenas 40% foram efetivamente resgatados, o que coloca o estado, novamente, em um destaque negativo em relação às políticas no campo.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!