“Como cidadão, quero ficar em casa e fazer o isolamento”, diz Paulo Guedes

Ministro da Economia contraria o presidente Jair Bolsonaro e diz ser precipitado retomar normalmente atividades econômicas no País

O ministro da Economia, Paulo Guedes (Foto: Carolina Antunes / PR)

O ministro da Economia, Paulo Guedes (Foto: Carolina Antunes / PR)

Economia,Política

O ministro da economia Paulo Guedes afirmou que “como cidadão, quer ficar em casa e fazer o isolamento” diante à pandemia do coronavírus. A declaração foi dada no domingo 29, durante uma videoconferência com representantes da Confederação Nacional dos Municípios (CNM).

“Eu mesmo, como economista, gostaria que pudéssemos manter a produção, voltar o mais rápido possível. Eu, como cidadão, seguindo o conhecimento do pessoal da Saúde, ao contrário, quero ficar em casa e fazer o isolamento”, afirmou o ministro, reafirmando as recomendações sanitárias para conter a propagação da Covid-19.

Guedes também destoou dos discursos do presidente Jair Bolsonaro para que a população retome suas atividades e o isolamento seja orientado apenas para pessoas idosas ou portadoras de doenças.

“Para a saúde, aparentemente, você precisa desses dois ou três meses. Então, nós estamos aí esticados, espremidos, porque mais de dois, três meses a economia não aguenta. Mas menos de dois, três meses, parece que a saúde também se precipita”, completou Guedes.

No domingo, o presidente visitou comércios em Brasília, falou com apoiadores e causou aglomerações, novamente infringindo as recomendações em meio à epidemia do coronavírus no País. Duas de suas publicações feitas no Twitter sobre as visitas foram banidas pela própria plataforma, por entender que os conteúdos violavam as regras da rede social.

“O Twitter anunciou recentemente, em todo o mundo, a expansão de suas regras para abranger conteúdos que forem eventualmente contra informações de saúde pública orientadas por fontes oficiais e possam colocar as pessoas em maior risco de transmitir a Covid-19”, diz um comunicado da plataforma.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem