…

Como #AGreveFracassou chegou aos trending topics na Índia?

Política

O campo de batalha ideológico instalado com a deflagração da greve geral na sexta 28, convocada por centrais sindicais contra as reformas propostas por Michel Temer, chegou até o Twitter. Durante as manifestações, travou-se uma disputa aguerrida nas redes sociais entre as hashtags #BrasilEmGreve e #AGreveFracassou, respectivamente, a favor e contra às manifestações.

A primeira chegou a ficar em segundo lugar nos trending topics do Brasil, enquanto a ascensão da segunda foi comemorada por aqueles contrários à paralisação.

No entanto, uma postagem no perfil do Twitter do site Trendsmap, que mostra as hashtags de maior relevância em qualquer lugar do mundo, chamou a atenção. O post, publicado pelo perfil do Trendsmap India, avisava que #AGreveFracassou chegou, assim mesmo, em português, aos trending topics do país asiático de 1,3 bilhão de habitantes.

O fato levanta suspeitas sobre o uso dos bots, robôs que geram contas falsas e espalham conteúdo em escala industrial, na discussão política sobre a greve.

Segundo reportagem da Deutsche Welle, perfis falsos e bots muitas vezes vêm de locais conhecidos como “click farms”, fazendas de cliques onde pessoas trabalham criando perfis falsos e aumentando a popularidade de clientes. Índia, Arábia Saudita e Madagascar são alguns dos locais conhecidos por abrigarem fazendas de cliques. Consultado pela reportagem, o especialista em redes sociais Torsten Müller afirma que o uso de tal expediente é bem mais comum do os políticos e os partidos (de todas as matizes ideológicas) gostariam de admitir.

O senador petista Lindbergh Farias foi um dos que comentaram o estranho sucesso de #AGreveFracassou no continente indiano.

A hashtag foi também usada por apoiadores reais da torcida para que a paralisação não fizesse suscesso, como Kim Kataguiri e o Movimento Brasil Livre (MBL).

 

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem