…

Comitê de Direitos Humanos da ONU dá liminar pela candidatura de Lula

Política

O Comitê de Direitos Humanos da ONU acolheu pedido liminar formulado pela defesa de Lula contra a possibilidade de o ex-presidente não participar das eleições presidenciais. A informação foi divulgada  pelos advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Zanin Martins, ambos integrantes da defesa do petista.

O comitê determinou ao Estado Brasileiro que “tome todas as medidas necessárias para que para permitir que o autor [Lula] desfrute e exercite seus direitos políticos da prisão como candidato nas eleições presidenciais de 2018, incluindo acesso apropriado à imprensa e a membros de seu partido politico.”

Leia também:
Por que a candidatura de Dilma ao Senado está sendo contestada?
Bolsonaro, MBL, PGR: o bombardeio à candidatura de Lula

A liminar pede “que o autor [Lula] concorra nas eleições presidenciais de 2018 até que todos os recursos pendentes de revisão contra sua condenação sejam completados em um procedimento justo e que a condenação seja final.”

Apesar de sua importância simbólica, a decisão não tende a ser observada pela Justiça brasileira, que tem soberania para decidir sobre questões internas.

Segundo os advogados, a decisão reconhece a existência de violação ao art. 25 do Pacto de Direitos Civis da ONU e  “a ocorrência de danos irreparáveis” ao ex-presidente “na tentativa de impedi-lo de concorrer nas eleições presidenciais ou de negar-lhe acesso irrestrito à imprensa ou a membros de sua coligação política durante a campanha.”

A defesa afirma que, diante dessa nova decisão, nenhum órgão do Estado brasileiro  “poderá apresentar qualquer obstáculo para que o ex-presidente Lula possa concorrer nas eleições presidenciais de 2018 até a existência de decisão transitada em julgado em um processo justo.”

Em nota, o Itamaraty afirma que as conclusões do Comitê “têm caráter de recomendação e não possuem efeito juridicamente vinculante”. A pasta disse que encaminhará o teor da deliberação ao Poder Judiciário.

O Itamary afirma que é “fiel cumpridor do Pacto de Direitos Civis e Políticos”. “Os princípios nele inscritos de igualdade diante da lei, de respeito ao devido processo legal e de direito à ampla defesa e ao contraditório são também princípios constitucionais brasileiros, implementados com zelo e absoluta independência pelo Poder Judiciário.”

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem