Política

Comandante poderia querer um golpe, mas a Marinha não queria, diz Múcio

O ministro da Defesa classificou de ‘questões isoladas’ eventuais conspirações de ex-comandantes em prol de uma ruptura

O comandante do Exército, General Tomás Paiva, e o ministro da Defesa, José Múcio Monteiro. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro da Defesa, José Múcio Monteiro, classificou de “questões isoladas” eventuais condutas de ex-comandantes das Forças Armadas em defesa de um golpe para evitar a posse de Lula em 2022.

O tema voltou a ganhar tração com a notícia de que a delação premiada do tenente-coronel Mauro Cid envolve militares em uma tentativa de ruptura ao lado do ex-presidente Jair Bolsonaro.

À Polícia Federal, Cid confirmou que o então presidente da República se reuniu com representantes do Alto Comando das Forças Armadas para discutir detalhes de uma minuta golpista que inviabilizaria a posse de Lula. A informação foi revelada pelo UOL.

Segundo a delação de Cid, apenas o almirante Almir Garnier Santos, então comandante da Marinha, teria apoiado a ideia de golpe. O então chefe do Exército, general Marco Antônio Freire Gomes, afirmou por sua vez que não embarcaria no plano, segundo o tenente-coronel.

“Eu acho que essa questão dos golpes eram questões isoladas. Podia o Garnier querer, mas a Marinha não queria”, disse Múcio à revista Veja nesta sexta-feira 22. “O Freire Gomes eu não sei se queria, não senti nenhuma tendência disso, nem do Batista Jr [então comandante da Aeronáutica]. Eles podem ter participado de reuniões porque o presidente da República os convocava.”

Reação

Na quinta-feira 21, os deputados Fernanda Melchionna (PSOL-RS) e Glauber Braga (PSOL-RJ) pediram uma audiência na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara com Garnier Santos.

“As informações agora divulgadas são gravíssimas. É inadmissível que o comandante de uma das Forças Armadas participe de uma reunião onde estejam sendo discutidos planos para um golpe de Estado e ainda mais grave que se disponha a encampar tal ideia”, diz o requerimento.

Além disso, a base de apoio ao governo Lula na CPMI do 8 de Janeiro espera votar na próxima terça-feira 26 um requerimento para convidar ou convocar Jair Bolsonaro e o ex-comandante da Marinha. A decisão, porém, cabe ao presidente do colegiado, deputado Arthur Maia (União-BA).

“Consideramos que o almirante Almir Garnier Santos tem a contribuir com as investigações dessa CPMI, especialmente sobre as intenções golpistas do ex-presidente Jair Bolsonaro”, defendeu a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo