Com metralhadora, policiais interrogam professores sobre ato contra Bolsonaro

Grupo estava reunido em sede de sindicato em Manaus, capital que o presidente visitará nesta quinta-feira 25

Foto: Marcos Corrêa/PR

Foto: Marcos Corrêa/PR

Política

Policiais Rodoviários Federais armados interrogaram professores sindicalizados que se reuniam em Manaus (AM), na terça-feira 23, para planejarem uma manifestação contra o presidente Jair Bolsonaro (PSL), que visitará a cidade nesta quinta-feira 25.

Nas redes sociais, o professor de História Yan Evanovick relatou que os policiais chegaram ao local com uma metralhadora. “Eu havia acabado de sair da sala para beber água e me deparei com os policiais e a ponta de uma metralhadora. Cheguei a pensar que eles eram do sindicato dos policiais e de repente estavam ali para aderir ao movimento. Fomos falar com eles e eles falaram que estavam cumprindo ordem do Exército Brasileiro”, afirmou o docente, ao site UOL.

Evanovick informou que a reunião havia sido marcada para as 17h, na sede do Sindicato dos Trabalhadores da Educação no Amazonas (Sinteam), no centro de Manaus. Os policiais teriam chegado meia hora antes e afirmado que acompanhariam a reunião. Em seguida, entraram numa das salas do sindicato e fizeram perguntas sobre o ato e seus organizadores.

A pauta da reunião, segundo os professores, era sobre um protesto que realizariam contra o corte de recursos na educação e em defesa da preservação ambiental da Amazônia. Ao jornal Folha de S.Paulo, o Comando Militar da Amazônia negou que tenha orientado a intervenção dos policiais no local. A Polícia Rodoviária Federal não se pronunciou sobre o assunto.

O presidente Bolsonaro irá a Manaus para uma reunião do Conselho de Administração da Superintendência da Zona Franca de Manaus (CAS). Bolsonaro deve estar acompanhado do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem